Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Intenção de Consumo das Famílias atinge maior nível desde maio de 2020

Mesmo com alta de 0,4% em fevereiro, índice continua abaixo do nível de satisfação, como ocorre desde 2015

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2022 | 12h20

RIO - A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), indicador apurado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), cresceu 0,4% em fevereiro ante janeiro, para 77,6 pontos, informou nesta sexta-feira, 18, a entidade. É o maior nível do ICF desde maio de 2020, quando atingiu 81,7 pontos.

Na comparação com fevereiro de 2021, o aumento foi de 4,6%. Mesmo com a alta deste mês, o ICF continua abaixo do nível de satisfação (100 pontos), como ocorre desde 2015.

A alta de fevereiro foi puxada por uma melhoria nas condições de consumo no presente. O subíndice Consumo Atual teve o avanço mais significativo do mês, de 3,9% ante janeiro. Além disso, 16% das famílias disseram ter percebido um aumento de seu consumo no presente, maior proporção desde abril de 2020. O subíndice Renda Atual cresceu 2,1% ante janeiro. A proporção de famílias que perceberam uma melhora na sua renda ficou em 21,7%, maior proporção desde junho de 2021.

A percepção sobre o mercado de trabalho também melhorou. O subíndice Perspectiva Profissional atingiu 90,8 pontos, alta de 0,9% ante janeiro e de 1,2% sobre fevereiro de 2021. A parcela de famílias que avaliaram esse item de forma negativa reduziu para o menor patamar desde abril de 2020, 48,9%. Em janeiro, esse percentual era de 50,3% e, em fevereiro de 2021, de 50,8%.

O ICF também registrou os efeitos da alta de juros, por causa do ciclo de aumento da taxa básica Selic (de 2% ao ano, em março de 2021, para 10,75% ao ano atualmente). Por causa disso, o único subíndice do ICF a registrar queda em fevereiro foi Momento para Duráveis, com tombo de 7,7% ante janeiro, o sexto mês seguido de queda. Na comparação com fevereiro de 2021, a queda foi de 9,2%.

Por outro lado, houve alta de 0,7% ante janeiro no subíndice Acesso ao Crédito, após quatro meses de queda. Em nota, a CNC ressaltou que essa alta sugere que, apesar da alta da Selic, “o crédito continua sendo um importante indutor do consumo”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.