Intenção de consumo cresce, mas ainda é baixa

RIO - A disposição do consumidor para ir às compras melhorou de agosto para setembro, mas continua em baixa. A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) subiu 0,9% ante o mês passado, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Foi a terceira alta consecutiva do indicador, o que reflete uma "estabilidade" após a sequência de quedas no primeiro semestre. Apesar disso, o índice ainda está 3,4% abaixo do observado em setembro de 2013. A leitura da CNC é que a melhora é pontual e não revela uma tendência.

IDIANA TOMAZELLI, MARIANA DURÃO, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2014 | 02h05

Na análise da instituição, o recuo dos preços de alimentos e bebidas nos últimos três meses ajudou na recuperação da confiança. "A inflação dos alimentos teve algum alívio, mas ainda continua muito alta. Não vejo até o fim do ano um fator que vá motivar esse consumidor a comprar mais", diz Juliana Serapio, assessora econômica da CNC.

Embora a Intenção de Consumo das Famílias esteja em um nível considerado favorável, a confederação pondera que a percepção das famílias ainda não está totalmente recuperada. O elevado custo do crédito e o alto nível de endividamento são os fatores que vêm pesando mais no desaquecimento da intenção de compras a prazo.

A economista destaca que, apesar da manutenção da taxa Selic, em 11% ao ano desde abril, os juros para a pessoa física continuam em alta. Segundo o BC, a taxa média de juros de operações de crédito para a pessoa física vem subindo desde junho do ano passado (34,8%). Em julho de 2014, chegou a 43% ao ano.

O reflexo desse quadro é que o componente de Acesso ao Crédito medido na pesquisa de ICF vem atingindo sua mínima a cada mês. Em setembro registrou queda de 0,6% na variação mensal, a menor da série histórica, e queda de 5,1% ante o mesmo período do ano passado.

Para Juliana, a piora do Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que capta a percepção do consumidor sobre a situação do mercado de trabalho, mostra que a perspectiva para criação de vagas não é positiva. Isso reforça a ideia de que a melhora da intenção de consumo é mais um efeito estatístico do que uma tendência firme.

A CNC reduziu sua previsão para o crescimento das vendas do varejo de 4% para 3,7% com base na última divulgação da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) pelo IBGE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.