Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Intenção de consumo das famílias aumenta 1,1% em novembro ante outubro

Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), apesar do avanço, indicador ainda permanece na zona de insatisfação

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2018 | 12h03

Os brasileiros ficaram mais propensos às compras em novembro, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) avançou 1,1% em relação a outubro, para 87,6 pontos.

A melhora foi puxada pelo crescimento dos componentes Perspectivas de Consumo (+3,4%), Compras a Prazo (+1,2%), Perspectiva Profissional (+1,0%) e Nível de Consumo Atual (+2,5%).

Segundo a CNC, os consumidores podem estar mais propensos ao consumo devido às expectativas de melhora da renda com o recebimento do PIS/Pasep, pagamento do 13º salário, estabilidade de preços, recuperação da atividade econômica e compras para o Natal.

Em relação a novembro de 2017, o ICF aumentou 9,2%, com destaque para o salto de 23,9% das percepções quanto ao Nível de Consumo Atual e alta de 12,2% na Perspectiva de Consumo (+12,2%).

"Em relação a novembro de 2017, as famílias se mostram mais satisfeitas. Ano passado predominava o número das que achavam que o nível de consumo seria menor (58,3%), e agora observamos que esse porcentual caiu para 49,3%. Além disso, aumentou em 4,4 pontos percentuais o número de famílias (18,8%) que consideram que o nível de consumo vai crescer", apontou o economista Antonio Everton, da Divisão Econômica da CNC, em nota oficial.

Apesar do avanço, o indicador permanece na zona de insatisfação. A última vez que o ICF ficou acima dos 100 pontos, nível considerado de satisfação, foi em abril de 2015, quando estava em 102,9 pontos.

"São 42 meses abaixo desta linha, o que demonstra que ainda perdura uma insatisfação das famílias em geral com relação ao padrão de gastos", completou Everton.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.