Intenção de consumo das famílias cresce 2,3%, diz CNC

Em setembro a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) cresceu 2,3% em relação ao mês anterior, informou a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), nesta quarta-feira, 18. O ICF, que atingiu 126,2 pontos, ainda está em nível mais baixo em relação ao ano passado: ante setembro de 2012, o resultado representou recuo 7%.

IRANY TEREZA, Agencia Estado

18 de setembro de 2013 | 11h32

O aumento da confiança em setembro em relação a agosto foi atribuído pelos técnicos da CBC à base de comparação mais fraca e também aos estímulos do programa "Minha Casa Melhor", que o governo lançou como complemento aos beneficiários do "Minha Casa, Minha Vida". O programa dá acesso a linhas de crédito mais vantajosas na compra de eletrodomésticos.

A CNC chamou também a atenção para "o alívio pontual da inflação" como um fator que alimentou o crescimento da confiança dos consumidores. "Entretanto, o menor otimismo quanto ao emprego e à renda e a manutenção de taxas de juros mais elevadas para aquisição de crédito mantiveram a intenção de consumo em um patamar inferior ao do ano passado. O índice mantém-se acima da zona de indiferença (100,0 pontos), indicando um nível favorável de consumo", diz o documento da CNC.

Na comparação mensal, todos os componentes relacionados ao mercado de trabalho e ao consumo apresentaram variações positivas, o que não ocorria desde dezembro de 2012. Os seguidos recuos do índice nos meses anteriores provocaram uma base fraca de comparação.

Tudo o que sabemos sobre:
CNCintenção consumosetembro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.