Interessada na PT é 'máquina de compras'

Altice, baseada em Luxemburgo, angariou 17 bilhões e venceu a disputa pela operadoraSFR, que era da Vivendi

O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2014 | 02h04

A Altice, grupo baseado em Luxemburgo e comandado pelo empresário franco-israelense Patrick Drahi, que está interessada em comprar parte da Portugal Telecom, é considerada uma "máquina de compras" na Europa.

A empresa ganhou as manchetes recentemente ao angariar uma série de empréstimos para oferecer 17 bilhões pela operadora de telefonia francesa SFR, que pertencia à Vivendi. Segundo reportagem do Wall Street Journal, nem a dona da SFR - que concordou com a cifra e com o negócio - acreditava na capacidade de Drahi para angariar tanto dinheiro.

Há dois anos, lembra a reportagem, o presidente do conselho da Vivendi, Jean René Fourtou, afirmou que Drahi estava "louco" e que tentava jogar com pesos pesados, muito acima de sua categoria. Depois de conseguir fechar o negócio, a Altice parece querer mais - e a tentativa de se aproximar da PT seria só um dos sinais.

A empresa está se movimentando rápido porque, segundo o WSJ, o mercado europeu de telecomunicações está vivendo uma onda de consolidação sem precedentes. Neste ano, até o momento, os negócios neste segmento somam US$ 65 bilhões, maior resultado desde 2000.

Novamente, parte do mercado está cética em relação à Altice. "Drahi está indo atrás de peixes grandes", disse Javier Borrachero, chefe da área de telecom da consultoria Kepler Cheuvreux. Borrachero afirma, porém, que não descarta "surpresas" de Drahi, mesmo em uma situação em que ele terá de disputar ativos com gigantes como Vodafone e Liberty Global.

Empresário autodidata, Drahi começou sua fortuna vendendo assinaturas de porta em porta, fiando-se sempre pela mesma regra: oferecer primeiro a TV a cabo. Nos anos 1990, Drahi começou a comprar pequenas concessões de cabo na França. Em 2004, o empresário encontrou investidores para ajudá-lo a concentrar todas as suas concessões na França sob um guarda-chuva: a Numericable.

A oferta por ativos da Portugal Telecom, que tem efeitos diretos no mercado brasileiro, vem para saciar a fome global de Drahi por negócios. Ele já comprou a empresa de TV a cabo Hot em Israel, promovendo uma posterior fusão com uma empresa de telefonia móvel local. Trata-se de uma prévia do que ele quer fazer com Numericable e SFR no mercado francês, caso os reguladores permitam. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.