Interesses políticos impedem mais investimentos na AL

Mais investimento em infra-estrutura na América Latina continua sendo a aspiração geral dos países membros do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), mas a pretensão é detida por interesses políticos e pela falta de confiança do capital privado. A deficiência em infra-estrutura tem sido uma das questões mais repetidas na 47ª Assembléia anual de governadores do BID, realizada em Belo Horizonte, Minas Gerais. Segundo o presidente do BID, Luis Alberto Moreno; um dos principais obstáculos para o desenvolvimento econômico da região a falta de redes de transporte e comunicação, a baixa integração energética do Continente e a ausência de financiamento no longo prazo. O ministro do Planejamento e presidente da reunião, Paulo Bernardo; o secretário-adjunto do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, Clay Lowery, e o secretário de Fazenda do México, Francisco Gil Díaz, concordam com Moreno. Gil alertou para a necessidade de mobilizar o capital privado para enfrentar o sério déficit de investimento público em infra-estrutura na América Latina. A deficiência, disse, "tanto em termos de cobertura como de qualidade" é "um dos principais gargalos" para aumentar a produtividade da região. Integração O ministro Paulo Bernardo lembrou que a Iniciativa para a Integração da Infra-estrutura Regional Sul-Americana (IIRSA), que deveria ter sido um dos pilares da integração regional, tem avançado pouco. A IIRSA, patrocinada pelo BID, mantém um portfólio de aproximadamente cem grandes projetos para unir a América do Sul com mais estradas, pontes, gasodutos e outras grandes obras que estimulariam as trocas econômicas e sociais. Entretanto, segundo Paulo Bernardo, "falta autonomia decisória para desenhar as fórmulas de engenharia financeira mais apropriadas, e negociá-las rapidamente".

Agencia Estado,

04 Abril 2006 | 10h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.