Internet de alta velocidade chega ao Monte Everest

KATMANDU

Reuters, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2010 | 00h00

Uma operadora de telecomunicações do Nepal levou internet de alta velocidade ao ponto mais alto do mundo. A façanha foi conseguida ontem, quando foi lançado o primeiro serviço 3G do país, no acampamento base do Monte Everest.

As novas instalações podem ajudar os milhares de escaladores que visitam todos os anos a região do Everest, no distrito nepalês de Solukhumbu.

Antes, os visitantes dependiam de caríssimos equipamentos via satélite para manter contato com seus familiares em uma região remota sem serviços de telefonia. A companhia nepalesa Ncell afirmou que as novas instalações são o primeiro serviço 3G do acampamento base do Monte Everest, o pico mais alto do mundo, a 8.850 metros do nível do mar.

"Essa é uma façanha tão grande quanto sua altitude, uma vez que a internet 3G de alta velocidade trará serviços de telecomunicações mais rápidos e baratos tanto aos habitantes do Vale de Khumbu quanto aos escaladores", disse Lars Myberg, presidente da nórdica TeliaSonera, que controla 80% da Ncell. A operadora nepalesa é uma joint venture da TeliaSonera com investidores locais.

"Hoje fizemos a primeira videoconferência a partir do Monte Everest", disse o presidente executivo da Ncell, Pasi Koistinen, a jornalistas em Katmandu. A ligação foi feita a 5,3 mil metros de altitude, na área onde tem início a escalada do Everest.

As instalações da companhia permitem navegação de alta velocidade na web, envio de vídeos e e-mails, além de ligações mais baratas do que as originadas de telefones via satélite, segundo informou a Ncell em comunicado divulgado ontem.

Investimento. A cobertura dos serviços de telecomunicação do Nepal, país mais pobre do sudeste asiático, abrangem apenas um terço da população de 28 milhões de habitantes. A Ncell afirmou que a TeliaSonera investirá mais de US$ 100 milhões para ampliar seus serviços no Nepal no próximo ano e garantir cobertura a mais de 90% da população do país himalaio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.