Internet estimula investimento em fundos

As empresas de Internet devem estimular o investimento em cotas de fundos negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). O gerente de Credenciamento de Investidores Institucionais da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Luis Felipe Lobianco, acredita que a rede mundial está ajudando na consolidação desse mercado. A compra de cotas de fundos que aplicam em companhias de Internet é um dos únicos instrumentos para se investir no setor no Brasil. Isso porque o mercado conta apenas com uma empresa de capital aberto e ações na Bovespa, a Ideiasnet.Os investidores têm hoje à disposição 14 fundos com cotas negociadas na bolsa. Os dois com maior volume de negócios são ligados à rede mundial, o IP.com, da Investidor Profissional, e o Fundo Internet, administrado pelo Banco Pactual. Nas duas últimas semanas, outros dois fundos desse tipo foram anunciados no mercado, o GP Internet, administrado pela GP Investimentos, e o Liberal Internet, da Liberal Asset Manegement.Outro fator que pode estimular esse tipo de investimento é a perspectiva de queda da taxa de juros, que deve provocar migração da renda fixa para a variável, afirmou o consultor Sérgio Malacrida, da Prandini, Rabbat & Associates. Esse cenário, entretanto, deve demorar um pouco para se concretizar.O gestor do Fundo Internet, do Pactual, Marcelo Monteiro, contou que a opção por colocar as cotas para serem negociadas na bolsa foi adotada para trazer mais negócios aos ativos. A idéia é permitir que o cotista possa encontrar mercado para vender a sua participação se desejar sair do investimento.Crise na Nasdaq provoca desvalorização das cotasO fundo IP.com, que possui patrimônio líqüido de R$ 52 milhões administrados pela Investidor Profissional, é um exemplo do funcionamento desse sistema. Primeiro fundo de Internet a ter cotas em Bolsa, o IP.com foi lançado em fevereiro deste ano, no auge da euforia com as empresas da nova economia. Em dois dias, teve sua cota valorizada em 68%, contou a gestora do fundo, Ana Dantas.Esse é o único fundo que tem registrado negócios com suas cotas em todos os meses desde o seu lançamento. No entanto, desde a crise do mercado americano de tecnologia, Nasdaq, as cotas do fundo vêm mostrando desvalorização e perda de negócios. Nos quatro primeiros meses de negociação, as transações com as cotas do IP.com movimentaram R$ 3,6 milhões, chegando a valer R$ 16,1 mil no dia seguinte ao lançamento. Em setembro, o fundo teve um giro de R$ 567,4 mil e sua cota estava valendo em R$ 7,3 mil, uma queda de 55%. O mesmo movimento foi registrado com o Fundo Internet, do Pactual, focado em estratégia "business to business" (B2B). No mês de seu lançamento, em agosto, ele teve um giro de R$ 771,4 mil e sua cota atingiu R$ 10,15 mil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.