Internet rápida chega a 73% das escolas públicas

Segundo a Anatel, mais de 4,2 mil instituições de ensino passaram a ter acesso à banda larga no primeiro semestre

Karla Mendes / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2010 | 00h00

O Programa Banda Larga nas Escolas já alcança quase 73% das instituições públicas de ensino do País. Segundo um balanço da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), mais de 4,2 mil escolas passaram a ter acesso à internet em alta velocidade no primeiro semestre deste ano.

No total, estudantes de 47.204 escolas públicas urbanas de todo o Brasil já têm acesso à internet banda larga. O número de instituições beneficiadas representa 72,75% dos estabelecimentos municipais, estaduais e federais localizados em zona urbana no País. A meta do programa é conectar todas as 64.879 escolas urbanas até o fim deste ano.

No primeiro semestre, os Estados com maior número de instituições que passaram a ter conexão à internet em banda larga foram São Paulo (826), Minas Gerais (746) e Maranhão (408).

Já as unidades da federação com menor número de escolas beneficiadas estão na Região Norte: Roraima (10), Amapá (16) e Acre (17). A relação completa das escolas beneficiadas estará disponível no site da Anatel.

De acordo com a agência reguladora, o menor número de instituições contempladas no Norte deve-se à dificuldade de acesso. As empresas atenderam primeiramente as escolas que se encontram em suas áreas de cobertura dos serviços de ADSL.

Parceria. O Programa Banda Larga nas Escolas é uma parceria dos ministérios das Comunicações e da Educação, Anatel e operadoras de telefonia. O projeto é resultado de uma mudança no Plano Geral de Metas para a Universalização (PGMU) do Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC), que passou a estabelecer obrigações às concessionárias de telefonia fixa.

Um decreto presidencial de 2008 trocou a obrigação de instalar Postos de Serviços de Telecomunicações (PSTs) em áreas urbanas pelo compromisso de levar aos municípios o chamado backhaul, infraestrutura de rede para conexão em banda larga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.