Interrupção de voos por vulcão islandês custa US$ 5 bi ao PIB global

Conclusão está em relatório divulgado durante a 10ª Global Travel & Tourism Summit, do Conselho Mundial de Viagens e Turismo, em Pequim

Michelly Chaves Teixeira, da Agência Estado,

27 de maio de 2010 | 15h34

A interrupção nas viagens aéreas causada pela erupção do vulcão islandês Eyjafjallajokull custaram aproximadamente US$ 5 bilhões ao Produto Interno Bruto (PIB) global. A conclusão está em relatório liberado durante a 10ª Global Travel & Tourism Summit, do Conselho Mundial de Viagens e Turismo, em Pequim, China.

O estudo, elaborado pela consultoria Oxford Economics, diz que os passageiros, as companhias aéreas e os destinos em si não foram os únicos prejudicados pelo recente bloqueio do espaço aéreo. "Os impactos foram severamente sentidos pelos viajantes, companhias aéreas e destinos. Porém, também foi notado por aqueles que dependem das mercadorias importadas e exportadas por fretamento aéreo e da produção e produtividade gerais", afirmou o presidente da Oxford Economics, Adrian Cooper.

Na primeira semana após o vulcão expelir uma gigante nuvem de cinzas, o fechamento temporário do espaço aéreo europeu resultou na perda de US$ 4,7 bilhões do PIB global. Os cerca de 5.000 voos cancelados até 24 de maio acrescentaram 5% a esses números, conforme a consultoria.

O estudo relata que, entre 15 e 21 de abril, a redução de voos no espaço aéreo europeu foi de mais de 100.000 em comparação à semana anterior, representando uma queda de 53% no movimento. As perdas líquidas no setor da aviação somaram US$ 2,2 bilhões após serem contabilizados os adiamentos nas viagens. As perdas líquidas nas despesas com os passageiros em espera atingiram US$ 1,6 bilhão. Com mais de sete milhões de passageiros e quase todas as viagens internacionais e regionais pela Europa afetadas, os maiores impactos econômicos foram sentidos em todo o mundo.

Pelo relatório, as Américas perderam US$ 957 milhões em uma semana de interrupção dos voos; a Ásia perdeu US$ 517 milhões em PIB e a Europa, US$ 2,632 bilhões. "Além dos efeitos diretos sobre as companhias aéreas e os destinos, os fornecedores do setor constataram perdas indiretas. Sem falar que a produção econômica foi reduzida. Há também uma perda na produção causada por funcionários em espera e impossibilitados de trabalhar - cerca de US$ 490 milhões - e o comércio internacional sofreu um severo golpe, especialmente as produções just-in-time e as mercadorias perecíveis, tais como frutas exóticas e flores recém-colhidas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.