Intervenção em cooperativa deixa cidade sem dinheiro

Desde o início do mês, o pequeno município de Luis Alves, em Santa Catarina, vive uma situação inusitada. A população está quase sem dinheiro para fazer até as compras mais simples.

DANIEL CARDOSO , ESPECIAL PARA O ESTADO, FLORIANÓPOLIS, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2012 | 02h10

O problema começou quando o Banco Central decretou, no dia 6, a intervenção na Cooperativa de Crédito Rural do Litoral, Vale do Itajaí e Norte Catarinense (Credialves) por perdas nos balanços, má administração e ausência de liquidez para honrar seus compromissos.

Com a intervenção, todo o dinheiro que estava nas contas da cooperativa foi bloqueado e os saques ficaram suspensos. Essa medida atingiu em cheio 60% da população do município que tem conta na cooperativa e está prejudicando a economia local.

Lorena Raitz é dona de uma loja de roupas femininas e está vendendo apenas metade do esperado para dezembro. "O comércio inteiro sentiu. Cerca de 80% dos meus clientes são associados da cooperativa. Sem dinheiro, não tem como fazer compras. A situação atinge outras lojas e setores, até mesmo supermercados. Tem gente já ficando desesperada", conta Lorena.

Segundo João Máximo Iurk, interventor nomeado pelo BC, a situação da cooperativa causou insegurança entre os moradores. "Muitos não compreendem o que está acontecendo, acham que houve roubo e que vão perder o dinheiro depositado. É preciso deixar claro que não houve roubo, mas má administração, e o dinheiro deverá ser liberado mais para frente", explica Iurk.

A intervenção foi estabelecida por seis meses, renovável por mais seis meses. Iurk, no entanto, acredita que no primeiro período já seja possível apresentar bons resultados e recuperar a saúde financeira da cooperativa. A boa notícia é que mesmo em meio à intervenção a Credialves voltou a receber depósito. Esse dinheiro "novo" pode ser movimentado normalmente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.