Intervenções acalmam mercados

O petróleo voltou a monopolizar as atenções dos mercados hoje. Com a decisão do governo dos Estados Unidos de vender parte dos estoques estratégicos do produto, os preços caíram um pouco. O preço do barril negociado em Londres fechou hoje em queda de 1,01%, atingindo a cotação de US$ 30,24. E representantes de vários governos europeus declararam estar estudando a liberação de seus estoques estratégicos de maneira conjunta, coordenados pela União Européia.O presidente da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Ali Rodriguez, afirmou que os preços da commodity ainda não chegaram a um equilíbrio verdadeiro. As quedas, segundo ele, devem-se à intervenção norte-americana. Ele voltou a reafirmar que o alto preço do petróleo deve-se à especulação dos mercados, impostos do países consumidores, gargalos no refino. Rodriguez disse que o grupo não tem planos de alterar seus limites de produção antes de novembro.Já o ministro de petróleo da Arábia Saudita, Ali Naimi, declarou que a Opep agirá para conter a volatilidade dos preços até mesmo antes da reunião ministerial de 12 de novembro, "se necessário". Ele reiterou o propósito de trazer os preços para o patamar de US$ 22,00 a US$ 28,00 o barril. Presidentes e representantes dos países-membros da organização reúnem-se entre quarta e sexta-feira em Caracas. Também foram convidados os representantes da Rússia, que deve solicitar entrada no cartel, Noruega, Angola, Omã e México.O euro, que também preocupa os mercados internacionais pelas suas quedas sucessivas, sofreu intervenção conjunta de vários bancos centrais na sexta-feira. Hoje a moeda única européia, adotada por 11 países da União Européia. Mas hoje, voltou a cair. Às 17:30, registrava queda de 0,75%, sendo negociado a US$ 0,8746. De qualquer forma, a níveis superiores aos registrados antes da intervenção. Vale lembrar que a moeda atingiu a sua cotação mais baixa desde o lançamento, de US$ 0,8460 no dia 20.MercadosO Dow Jones - Índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,36%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em queda de 1,64%. A Bovespa - Bolsa de Valores de São Paulo - operou a maior parte do dia em alta, mas com a queda da Nasdaq, reverteu a tendência à tarde, fechando em queda de 0,21%. O setor que mais registrou quedas foi o de energia.Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 17,120 % ao ano, frente a 17,150% ao ano sexta-feira. A maior estabilidade nos mercados de petróleo e euro contribuíram com a boa aceitação da posição conservadora do governo em relação aos juros. No mercado, já se trabalha com a expectativa de um reajuste nos combustíveis esse ano e com a Selic, a taxa de juros básica referencial da economia, entre 16% e 16,5 % ao ano.O dólar abriu em queda e foi sofrendo elevações nas cotações até fechar em alta de 0,27%, a R$ 1,8500. Operadores creditam a alta à ação de compra de um grande banco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.