Interventor judicial da VarigLog é afastado

Decisão do juiz José Paulo Magano foi publicada na terça e leva em conta um recurso ajuizado pelo Matlin

Alberto Komatsu, da Agência Estado, Agencia Estado

19 de março de 2008 | 18h50

A 17ª Vara Cível de São Paulo afastou o interventor judicial da VarigLog, José Carlos Rocha Lima, a pedido do fundo americano de investimentos Matlin Patterson, dono de 60% do capital total da ex-subsidiária da Varig. A decisão, do juiz José Paulo Magano, foi publicada ontem e leva em conta um recurso ajuizado pelo Matlin. O fundo denuncia que Rocha Lima, já como interventor, fez uma proposta de aquisição da VarigLog por meio de e-mail enviado a Lap Chan, representante do fundo no Brasil."O e-mail aparenta aproximação, em desajuste com a postura esperada do administrador judicial", afirma Magano, em sua decisão. Rocha Lima, que foi indicado pelo próprio juiz da 17ª Vara Cível, permanece no cargo até o dia 28. Até essa data, um comitê fará um diagnóstico da situação da VarigLog. Os trabalhos serão conduzidos por Oscar Spessoto, engenheiro industrial, Alfredo Luiz Kugelmas, advogado, e Luis Gaj, administrador de empresas.Rocha Lima admite que enviou e-mails tanto para Lap Chan quanto para os sócios brasileiros, apresentando o interesse de investidores pela VarigLog. Ele nega, porém, que estivesse sendo tendencioso. Afirmou que buscava uma solução de mercado para a companhia. "Fiz, faço e faria novamente", afirma o ex-interventor.Ele foi nomeado interventor após os acionistas brasileiros e membros do Conselho de Administração da VarigLog, Marco Antonio Audi, Luiz Eduardo Gallo e Marcos Haftel, terem sido afastados da administração da companhia por gestão temerária. Os três têm 40% do capital total da VarigLog e desde o final do ano passado travam uma batalha judicial com o Matlin Patterson.

Tudo o que sabemos sobre:
VarigLog

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.