Helvio Romero/AE-9/8/2004
Helvio Romero/AE-9/8/2004

Inventor do walkman agora mira a telefonia

O alemão Andreas Pavel promete aparelho para transmitir situações e vivências

Evandro Fadel / CURITIBA, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2011 | 00h00

Inventor do walkman - reprodutor de áudio estéreo portátil, patenteado em 1977 -, o alemão de nascimento, brasileiro por adoção e atualmente circulando entre Alemanha, Brasil e Itália, Andreas Pavel, de 65 anos, está começando a divulgar um novo aparelho, que, segundo ele, vai revolucionar o sistema de telefonia.

Por enquanto, está tudo envolto em sigilo, mas a intenção é "passar da transmissão de informações, para transferir inteiras situações ou vivências". "Não é fácil adaptar tecnologias e redes existentes para este novo tipo de telefonia, mas acho que nós conseguimos e deve estar no mercado em um ano ou pouco mais", disse.

Em Curitiba, a convite da consultoria Gestão Inteligente para uma palestra sobre Inovação, Invenção e Genialidade, Pavel deu, na semana passada, algumas dicas do trabalho que desenvolve há cinco anos, que pretende levar às telecomunicações uma versão modificada da estereofonia tradicional. Chamado de telefonia integral, o sistema prevê que os interlocutores estejam inseridos um no ambiente do outro durante uma conversa. Com potentes microfones, é possível ouvir, a quilômetros de distância, até mesmo o cantar dos passarinhos que o interlocutor ouve a seu lado.

"A situação real que o outro vive está, de certa forma, fora do alcance e é tratada pela indústria como "ruído de fundo"", afirmou Pavel. "A telefonia integral capta os sinais que representam a minha experiência acústica junto aos meus ouvidos e transfere para os ouvidos de outra pessoa em outro lugar, que passa a viver exatamente a minha situação como se estivesse

De forma entusiástica, Pavel ressaltou que o princípio de seu invento é promover a "telepresença acústica". "Vai além da estereofonia", reforçou.

Espaço. Segundo o inventor, o sistema conseguirá associar os dois parâmetros da escuta espacial do homem: distância e direção. "A estereofonia normal não reproduz distância, não é capaz de ocupar a esfera íntima, o espaço próximo a mim", afirmou. "Para a música isso não faz diferença, mas a telefonia reproduz a vida real."

Dessa forma, ele projeta a possibilidade de passar de uma simples troca de arquivos sonoros para o compartilhamento de experiências. De acordo com Pavel, a troca instantânea dos ambientes somente será feita com autorização do interlocutor que pode, a qualquer momento, desativar o sistema.

Apesar de agora a paternidade de Pavel sobre o walkman ser admitida de forma pacífica, uma disputa entre ele e a Sony estendeu-se por 27 anos, com gastos milionários de ambos os lados. Somente em 2004, um acordo foi fechado, com Pavel recebendo uma indenização em valores não revelados e sendo reconhecido como inventor do aparelho que surgiu a partir do que ele diz ser um "misto de curiosidade e brincadeira".

"O inventor pensa as coisas ao contrário, procura identificar algo que ninguém vê", disse Pavel. "O walkman é um exemplo clássico, pois ninguém ia procurar o máximo de qualidade em um pequeno aparelho." As discussões sobre a paternidade da invenção foi levantada porque, segundo Pavel, a Sony lançou o aparelho meses após a publicação de sua patente registrada na Alemanha. "Antes não havia documento, nenhuma proposta, nenhuma tendência nessa direção", reforçou.

Filme. Filósofo, com cursos na Universidade de Berlim e Universidade de São Paulo, Pavel foi diretor de programação da TV Cultura de São Paulo e editou a coleção Os Pensadores, da Abril Cultural, na década de 1970. Mais recentemente, produziu dois documentários e dois concertos com o músico Altamiro Carrilho. Agora prepara um filme com o mesmo músico, que deve se chamar Canarinho Teimoso.

CRONOLOGIA

1972

O inventor cria o stereobelt

1977

Pavel deposita a patente na Alemanha, Itália, EUA, Reino Unido e Japão

1979

A Sony inicia as vendas do Walkman

1980

Começam as disputas jurídicas com Pavel

2004

A Sony fecha um acordo com o inventor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.