Insper/ Divulgação
Insper/ Divulgação

'Investidor deve ter uma reserva de emergência antes de investir', diz professor de Finanças

Ricardo Humberto Rocha, do Insper, ensina como separar o orçamento pessoal para cada objetivo de vida

Entrevista com

Ricardo Humberto Rocha, professor de Finanças do Insper

Érika Motoda, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2021 | 19h05

Com a inflação alta e o dinheiro que parece cada vez mais curto, o investidor brasileiro tem a sensação de que está empobrecendo. Para atravessar esse momento de turbulência, o professor de Finanças do Insper Ricardo Humberto Rocha ensina como se organizar financeiramente. 

Ele explica que, nos investimentos, é preciso olhar para quatro itens: perfil, horizonte, objetivo e capacidade de perda. Leia a entrevista:

A Bolsa está caindo, e a renda fixa não está batendo a inflação. Como acalmar o investidor? 

Vamos olhar a jornada do investidor. Primeiro, vamos falar da renda fixa; depois, de Bolsa. Na renda fixa, temos que olhar para quatro itens: perfil (conservador ou moderado), horizonte, objetivo e capacidade de perda. 

O objetivo se casa com o horizonte. Por exemplo, se eu quero fazer um curso no exterior daqui a cinco anos, eu posso comprar uma NTN-B 5 anos (Tesouro Direto atrelado à inflação). 

E a capacidade de perda?

A capacidade de perda tem a ver com o risco de crédito. Parte dos meus recursos tem que estar indexada ou à taxa DI ou à Selic, por causa da liquidez. É um dinheiro que se eu precisar resgatar, não vou ter problema de liquidez. 

O Certificado de Depósito Bancário (CDB) é uma boa opção, porque tem garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), não tem taxa de administração e tem liquidez diária a partir de 30 dias. Tesouro Selic ou fundo DI também são boas opções, mas podem ter flutuação de preço. 

Como calcular a capacidade de perda 'saudável'? 

Por exemplo, se eu tenho um valor aplicado em títulos prefixados ou indexados ao IPCA, eu tenho que cumprir um prazo até resgatar o valor. Caso eu precise resgatar o dinheiro antes do prazo de vencimento, pode haver uma perda (ou uma multa). Então, dinheiro que já está orçado, eu não posso tomar risco de liquidez. 

Mas além da fixa, é preciso ter um plano B para amenizar essa sensação de empobrecimento por causa da inflação?

Não tem muito o que fazer. É preciso também ter uma reserva de emergência de no mínimo 6 meses. Se seus gastos fixos são de R$ 6 mil mensais, então sua reserva de emergência deveria ser de R$ 36 mil. O dinheiro da reserva tem que estar alocado em investimentos de baixo risco, tipo CDB.

A reserva de emergência é para eu não ter que resgatar os meus outros investimentos? É um dinheiro à parte? 

Sim. Eu só passo para os outros quando já tenho a minha reserva. 

E quais são as dicas para quem está na Bolsa? 

O investidor da Bolsa tem que olhar a longo prazo. É para investir um dinheiro que não vai precisar usar amanhã. Mas isso também não quer dizer que você vá casar com a ação. É bom dar preferência para ações que pagam dividendos, porque você vai ter uma geração de caixa ao longo da sua vida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.