Investidor deve vender ativos se faltar liquidez

Em fevereiro de 2013 apliquei no fundo imobiliário FII BTG Pactual Corporate Office Fund, pois a sala de ações da qual participo disse que seria bom e eu teria rendimentos mensais. Comprei mil cotas, a R$ 154 cada, tendo rendimentos mensais de R$ 960. No mês de março o valor da cota começou a cair e já perdi aproximadamente R$ 12 mil. A cota está em R$ 142. Tenho chance de recuperar este valor ou logo que der o prazo mínimo devo resgatá-lo?

FÁBIO GALLO É PROFESSOR DE FINANÇAS DA FGV, DA PUC-SP, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2013 | 02h04

Em qualquer investimento há sempre risco de perda, podendo ser econômica ou financeira. No primeiro momento a perda é econômica. Caso você venda o título, a perda será financeira. É o prejuízo definitivo no seu bolso. Assim, quando o investimento começa a perder valor devemos ter cautela e analisar os motivos de queda. Caso ela seja uma questão dos fundamentos, no caso uma questão estrutural do Fundo Imobiliário, não há muito o que fazer. A realização do prejuízo torna-se a melhor saída, e mais, devemos realizar de maneira urgente essa perda para que ela não seja aumentada. Quando o mercado como um todo está sofrendo ou se verifique que a queda tem como base uma situação específica, é recomendado aguardar, verificar se ocorre reação de preços e o valor do ativo recupere os patamares anteriores. A decisão depende também do momento do investidor, porque se ele estiver precisando de liquidez, a venda do ativo é necessária, mesmo com perdas de valor. A sugestão é que o investidor acompanhe o desempenho do fundo. Para isso, ele pode entrar no site da BM&FBovespa (código do fundo: BRCR 11) ou do próprio fundo www.bcfund.com.br/.

Desejo comprar um imóvel comercial na planta para investimento. Tenho aproximadamente 35% do valor. Pretendo alugar o imóvel para bancar as prestações e também antecipar as prestações futuras. Quais precauções preciso tomar? Quais os riscos?

Quando temos a intenção de comprar um imóvel na planta devemos considerar vários riscos. São eles: exige maior aporte de capital em relação a outras opções como investir em fundos ou Letras de Crédito Imobiliário (LCI); obrigação de manter o fluxo de caixa de acordo com o cronograma da construção; a construção do imóvel pode atrasar; a construtora pode ir à falência e não terminar a obra; a valorização do imóvel quando pronto pode não atingir o grau desejado; custos cartoriais e ITBI (Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis); há o risco de liquidez que é a demora na venda do imóvel quando necessário; a equação financeira planejada de alugar para bancar as prestações pode não ser realizada; períodos sem inquilino; período de atraso do recebimento do aluguel; manutenção do imóvel e intervenções de reforma quando da saída da troca de inquilino. Assim, diversas precauções devem ser tomadas, como analisar muito bem o projeto, tirar muitas informações sobre a incorporadora, solicitar o Memorial de Incorporação que descreva o projeto e a obra e analisar o local, visitando-o em diversos horários e dias da semana, para verificar se não ocorrem eventos desfavoráveis.

Tenho 61 anos e comprovação de 20 anos de desconto para o INSS, contribuindo sempre pelo teto. Se eu me aposentar por idade, o que posso perder?  Quanto posso vir a receber? No meu caso haveria fator previdenciário? O que preciso fazer para receber a aposentadoria integral?

Embora nossa leitora já tenha condições de pedir a aposentadoria por idade, se fizer isso neste momento não deverá obter o benefício máximo estabelecido pelo teto, que atualmente é de R$ 4.159. O direito à aposentadoria integral é válido para trabalhadores que comprovarem contribuição, no caso da mulher por 30 anos e do homem, por 35 anos. O valor do benefício na aposentadoria por idade corresponde à média aritmética simples dos 80% maiores salários de contribuição, corrigidos monetariamente desde julho de 1994. Na aposentadoria por idade a aplicação do  fator previdenciário é facultativa, mas no caso da leitora, seria uma opção pior. Para conseguir receber a aposentadoria integral, o tempo de contribuição ao INSS deveria ser estendido. Em outros termos, adiar por alguns anos a sua aposentadoria. Com mais cinco anos de contribuição você deverá obter uma aposentadoria praticamente pelo teto pago pelo governo. A dica para nossa leitora é acessar o site do INSS (www.previdencia.gov.br) e realizar uma simulação com os seus dados efetivos de contribuição.

Pergunte ao Gallo

Envie sua pergunta. Elas serão publicadas às segundas-feiras - seudinheiro.estado@estadao.com

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.