Investidores correm atrás dos lucros e Bovespa recua 1,62%

Queda das commodities e a virada para baixo em Nova York na reta final influenciam baixa em São Paulo

Claudia Violante, da Agência Estado,

23 de setembro de 2009 | 17h29

Depois de subir quase 64% no ano até esta última terça-feira, a Bovespa finalmente conseguiu passar por uma realização de lucros que suplantasse o intraday - e que também a fez perder o nível de 61 mil pontos. Mas a trajetória não foi unânime durante o pregão. O índice subiu pela manhã e também chegou a virar para cima à tarde, acompanhando a ampliação dos ganhos em Wall Street depois que o Federal Reserve anunciou sua decisão de política monetária. Mas a queda das commodities e a virada para baixo em Nova York na reta final da sessão acabaram favorecendo os investidores que queriam embolsar parte dos ganhos recentes.

 

Veja também:

linkExpectativa de fluxo leva dólar a nova mínima em 1 ano

 

O Ibovespa recuou 1,62% e encerrou a quarta-feira nos 60.496,19 pontos. Na mínima da sessão, registrou 60.478 pontos (-1,65%) e, na máxima, os 61.630 pontos (+0,22%). Com a queda de hoje, os ganhos acumulados em setembro foram reduzidos a +7,10% e os de 2009 a +61,11%. O giro financeiro totalizou R$ 5,814 bilhões. Os dados são preliminares.

 

O Federal Reserve anunciou após sua reunião de política monetária que a taxa básica de juros do país continuará a oscilar entre zero e 0,25% ao ano, enquanto a de redesconto seguiu inalterada em 0,50%. Mas isso já era esperado pelo mercado que, no entanto, aprovou a decisão de estender até o final do primeiro trimestre de 2010 seu programa de US$ 1,25 trilhão de compra de ativos lastreados em hipotecas. O objetivo do BC norte-americano é ajudar o mercado financeiro se ajustar.

 

Fato é que as bolsas norte-americanas acabaram ampliando os ganhos após o anúncio, mas sem sustentar a força por muito tempo. Acabaram virando na reta final e o Dow Jones recuou 0,83%, aos 9.748,55 pontos, o S&P 500 fechou em baixa de 1,01%, aos 1.060,87 pontos, e o Nasdaq, com desvalorização de 0,69%, aos 2.131,42 pontos.

 

Além da virada para baixo das bolsas norte-americanas, o que abriu caminho também para a realização tão esperada pela Bovespa foi o comportamento das commodities no mercado externo. Os dados semanais de estoques de petróleo subiram acima das previsões e levaram a commodity a fechar em queda acentuada na Nymex.

 

Esse comportamento, na avaliação de Fausto Gouveia, economista da Legan Asset, foi responsável por conter a alta da Bovespa nos momentos em que operou no azul. "O ingresso de recursos, no entanto, está tão intenso que conseguiu fazer as compras se sobreporem às perdas em alguns momentos do dia", disse.

 

O contrato de petróleo para novembro terminou a US$ 68,97, em baixa de 3,89%, depois que o Departamento de Estoques anunciou aumento de 2,855 milhões de barris de petróleo nos estoques na semana encerrada em 18 de setembro, ante estimativas de queda de 1,5 milhão. A alta dos estoques de gasolina foi ainda maior, de 5,409 milhões de barris, ante expectativa de +400 mil.

 

Petrobrás terminou a sessão com perda de 2,11% na ação ON e de 1,64% na PN. A queda do petróleo, no entanto, acabou disseminada pelas commodities metálicas e empurrou para baixo também os preços de Vale e siderúrgicas. Vale ON acabou em baixa de 0,98%, Vale PNA, de 1,24%, Gerdau PN, de 2,59%, Metalúrgica Gerdau PN, de 3,35%, Usiminas PNA, de 1,51%, e CSN PN, de 2,01%.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespabolsamercado financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.