Investidores de varejo ficaram só com 45,7% do que encomendaram

Os pedidos de reserva dos investidores de varejo feitos diretamente ou via fundos na oferta da Petrobrás foram atendidos com rateio de 45,77%. As pessoas vinculadas à operação foram incluídas, um sinal de que a demanda pelos papéis não superou a oferta em mais de um terço.

Vinícius Pinheiro, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2010 | 00h00

Na oferta prioritária, destinada aos acionistas da estatal, os pedidos foram atendidos até o limite proporcional da participação que possuem na companhia. Os pedidos que excederam o limite foram alocados nas sobras, mas apenas dentro da mesma classe de papéis. Dessa forma, quem tem ações ON não pôde participar das sobras de PN, e vice-versa.

Já os pedidos feitos pelos funcionários da estatal foram integralmente atendidos. A liquidação da operação, ou seja, o dia em que os investidores que reservaram as ações terão de pagar por elas, será dia 29.

De acordo com analistas ouvidos pela Agência Estado, os investidores podem vir a mercado para totalizar o aporte previsto anteriormente na empresa, mas que não foi efetivado por causa do rateio.

O preço da ação, entretanto, é considerado fator de desestímulo ao movimento de compra, uma vez que o desconto dos preços das ações definidos na noite de quinta-feira é inferior a 2%.

O valor por ação preferencial (PN) foi definido em R$ 26,30, o que representa um desconto de 1,86% em relação ao fechamento de quinta-feira (R$ 26,80), enquanto a ação ordinária (ON) saiu a R$ 29,65 - desconto de 1,98% frente a cotação de R$ 30,25 na bolsa. "É um prêmio muito baixo, não vale todo o risco", afirmou um analista. / COLABORARAM ANDRÉ MAGNABOSCO E LUCIANA COLLET

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.