Investidores em Hong Kong protestam por prejuízos com Lehman

Investidores enraivecidos em Hong Kong, alguns batendo gongos e outros levantando faixas, protestaram em frente a um banco nesta sexta-feira. Eles demonstravam frustração com perdas ligadas a investimentos no falido banco norte-americano Lehman Brothers. Centenas de investidores, muitos deles idosos aposentados, fizeram manifestações em oito bancos que venderam a eles produtos estruturados pelo Lehman, incluindo o ABN Amro, o Standard Chartered, o Bank of China, o Citic Ka Wah e o DBS bank, clamando por compensações por seus prejuízos. Alguns investidores tentaram invadir uma agência do banco DBS na ilha de Honk Kong, entrando em conflito com seguranças, que formaram uma barricada humana. "Os bancos estão nos trapaceando", gritaram alguns investidores, enquanto outros batiam gongos e levantavam cartazes de protesto, acusando os bancos de não orientar corretamente os investidores quanto aos riscos envolvidos. O DBS informou em um comunicado enviado por e-mail à Reuters que um centro dedicado aos clientes foi criado para lidar com assunto. "O DBS Bank (Hong Kong) está profundamente preocupado quanto à inquietação que nossos clientes estão vivendo em relação a este assunto", uma porta-voz informou em um comunicado. Para lidar com o impasse, o banco central de Hong Kong informou que tornará disponível serviços de mediação e arbitragem entre investidores e bancos, com o objetivo de "estabelecer acordos de uma maneira rápida, confidencial e amigável, ou diminuir as questões em disputa". Os bancos terão, entretanto, o direito de recusar ou aceitar as mediações caso a caso. Investidores em Cingapura e Indonésia também foram às ruas em protesto, expressando perplexidade diante do fato de que os produtos falidos que compraram eram na verdade derivativos complexos. (Reportagem de James Pomfret e Bobby Yip)

REUTERS

31 Outubro 2008 | 12h48

Mais conteúdo sobre:
CRISE HONGKONG LEHMAN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.