Investidores embolsam lucros e Bovespa fecha em baixa

O principal índice das ações brasileiras fechou em queda nesta quinta-feira, com os investidores embolsando lucros em setores como financeiro, aéreo e de construção civil, apesar da recuperação das bolsas nova-iorquinas no final da tarde.

SILVIO CASCIONE, REUTERS

16 de setembro de 2010 | 17h31

O Ibovespa recuou 0,65 por cento, a 67.662 pontos. O giro financeiro do pregão foi de 4,76 bilhões de reais.

Nos Estados Unidos, os principais índices acionários se recuperaram da abertura fraca após dados sobre o setor manufatureiro no Meio-Atlântico e ficaram perto da estabilidade. O índice Dow Jones subiu 0,21 por cento.

A queda das ações no Brasil puniu alguns setores que vinham registrando comportamento positivo nos últimos dias. Na construção civil, MRV, Gafisa, Brookfield, Cyrela, PDG Realty e Rossi tiveram baixa de 1,4 a 3,4 por cento.

"É mais uma realização técnica, porque não tem nenhum dado novo que justifique essas quedas acentuadas", disse o analista de uma corretora em São Paulo, que preferiu não ser citado.

No setor aéreo, TAM e Gol caíram 3,52 e 1,94 por cento, a 38,05 e 25,25 reais, respectivamente, mesmo com os elogiados números sobre a demanda do setor em agosto, publicados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Ambas as ações acumulavam valorização entre 13,4 e 15,1 por cento desde o início do mês.

Já no setor financeiro, recentemente beneficiado pelo prazo relativamente longo para o cumprimento das regras de Basileia III, Itaú Unibanco caiu 0,97 por cento, a 38,90 reais e Bradesco 0,80 por cento, a 32,20 reais.

Em termos de volume, a mineradora Vale dominou o pregão. O papel preferencial da companhia caiu 0,56 por cento, a 42,26 reais. A segunda mais negociada foi a PN da Petrobras, com leve baixa de 0,34 por cento, a 26,36 reais.

"A oferta (de ações) da Petrobras ainda está segurando muito o mercado. O pessoal tende a ficar cauteloso", disse Rafael Dornaus, operador da corretora Hencorp Commcor.

Ainda no setor de petróleo, OGX devolveu parte da alta recente, estimulada pela possível venda de 7 bilhões de dólares em ativos a investidores estrangeiros, e caiu 2,29 por cento, a 20,47 reais, com o terceiro giro do Ibovespa.

Entre as ações que conseguiram sustentar-se em alta, as varejistas B2W e Lojas Renner subiram 3,69 e 2,53 por cento, respectivamente, a 30,60 e 55,45 reais. Light subiu 2,83 por cento, a 23,22 reais.

Apesar da queda desta sessão, a mediana das estimativas de 18 analistas ouvidos pela Reuters projeta uma alta adicional de 10 por cento do Ibovespa até o fim do ano.

(Reportagem adicional de Luciana Lopez; Edição de Aluísio Alves)

Tudo o que sabemos sobre:
BOVESPAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.