Investidores embolsam lucros e Bovespa perde 1%, devolvendo ganhos na semana

A Bovespa devolveu ganhos acumulados na semana e fechou em baixa nesta sexta-feira, com investidores realizando lucros e repercutindo nova pesquisa eleitoral do Ibope. A bolsa seguiu o desempenho dos ADRs brasileiros em Nova York na véspera, quando o feriado de Corpus Christi paralisou as negociações locais.

PRISCILA JORDÃO, REUTERS

20 de junho de 2014 | 17h50

O Ibovespa caiu 1,02 por cento, a 54.638 pontos. O giro financeiro do pregão totalizou 5 bilhões de reais. O índice encerrou a semana com baixa acumulada de 0,31 por cento.

Levantamento CNI/Ibope mostrou na quinta-feira que a popularidade da presidente Dilma Rousseff (PT) continuou a cair. Mas ela ainda aparece em vantagem para ganhar a reeleição em um provável segundo turno, que venceria com 43 por cento dos votos, contra 30 por cento de Aécio Neves (PSDB).

Além disso, em um momento em que o mercado vinha comemorando a queda da presidente nas pesquisas, as intenções de voto de Dilma tiveram alta de 1 ponto percentual, a 39 por cento. A variação ficou dentro da margem de erro do levantamento, de 2 pontos percentuais.

"O resultado no segundo turno desanimou e, lá fora, os estrangeiros bateram nos ADRs brasileiros ontem (quinta-feira)", disse o operador Pedro Arantes, da corretora BGC Liquidez.

O fato de o Ibovespa ter encerrado o pregão anterior em seu maior patamar de fechamento de 2014 também levou investidores a embolsar lucros. "Há pouco volume, então, depois da subida forte da quarta-feira, parte do mercado está no clima de realizar alguns ganhos", disse o diretor da Mirae Securities, Pablo Spyer.

O BB Investimentos lembrou que o índice ficou próximo da resistência intermediária de 55.300 pontos na última sessão e que a possibilidade de default da Argentina de parte de sua dívida externa, após perder caso na justiça norte-americana, traz temores aos investidores e pode contaminar outras economias emergentes.

Na cena corporativa, as ações ordinárias da estatal Eletrobras tiveram a maior queda do Ibovespa, seguidas pela empresa de alimentos Marfrig, cujo papel perdeu mais de 4 por cento. Os papéis da Marfrig acumulavam alta de 15 por cento em junho até o fechamento de quarta-feira.

Telefônica Brasil também registrou uma das maiores desvalorizações do dia, após o Conselho Diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovar norma que poderá reduzir preços da telefonia fixa e móvel aos usuários.

"O novo regime de taxas de terminação móveis deve intensificar as pressões sobre a receita que as operadoras móveis já estão enfrentando", escreveu o analista Lucio Aldworth, do Citi, em relatório.

No sentido oposto, as empresas do setor de papel e celulose Suzano e Klabin encabeçaram as altas do Ibovespa. O mercado espera que as companhias sejam beneficiadas pela recriação do programa de incentivo às exportações Reintegra, anunciada pelo governo federal na quarta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
BOVESPAFECHAFINAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.