Investidores entram com ação coletiva contra JBS nos EUA

Segundo escritório americano, investidores que sofreram prejuízos com títulos da empresa têm até 21 de julho para integrar ação

Tânia Rabello, O Estado de S.Paulo

02 Junho 2017 | 19h11

Uma ação coletiva foi aberta contra a JBS nos Estados Unidos nesta sexta-feira, 2, por investidores que compraram ações da empresa entre 2 de junho de 2015 e 19 de maio de 2017.

A informação foi divulgada pelo escritório de advogacia Vincent Wong, responsável pela ação. 

Segundo o comunicado dos advogados, os investidores que sofreram prejuízos têm até 21 de julho para solicitar ao tribunal a nomeação como autor do processo, em tramitação na Corte do Distrito Leste de Nova York.

LEIA MAIS: DONOS DA JBS SE PREPARAM PARA A JUSTIÇA DOS EUA

Em 22 de maio, a agência de notícias Reuters havia noticiado que escritórios norte-americanos de advocacia estavam recolhendo inscrições de interessados em se juntar a ações coletivas contra a frigorífica brasileira, em pelo menos sete processos relacionados ao escândalo da operação Carne Fraca, deflagrado pela Polícia Federal em meados de março.

Férias coletiva. Enquanto isso, no Brasil, a JBS confirmou, em nota ao Estado/Broadcast,  que concederá férias coletivas aos funcionários de sua unidade de abates na cidade de Ponta Porã (MS). 

A pausa começará na segunda-feira, 5, e, conforme a empresa, "a medida está em linha com o planejamento prévio da companhia para a realização de ajustes operacionais na planta". 

A nota também acrescenta que após esse período as atividades serão retomadas "normalmente".

Delação. Na terça-feira, 30, a Operação Greenfield e procuradores do Ministério Público (MPF) fecharam com os irmãos Joesley e Wesley Batista, proprietários da JBS, o maior acordo de leniência do tipo no mundo, na ordem de R$ 10,3 bilhões. / Com Reuters 

Mais conteúdo sobre:
jbsEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.