Gerson Lima
Gerson Lima

Investidores estão à espera de um cenário mais definido

Rede de restaurantes Madero busca sócio, mas conta que fundos de investimento hoje se dispõem a pagar pouco

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2018 | 18h30

O que os economistas veem como tendência se confirma no dia a dia de empresas brasileiras: o cenário indefinido, fruto das dúvidas sobre o direcionamento fiscal do País, adiam ou inviabilizam que negócios engatilhados há tempos sejam concretizados. O empresário Junior Durski, fundador da rede de hamburguerias Madero, por exemplo, está em busca de um sócio, mas diz que os fundos de private equity – que compram participações em empresas – estão receosos em fazer grandes apostas neste momento.

“Enquanto o cenário não fica mais claro, as propostas têm sido muito baixas, pois os fundos estão conservadores”, conta Durski. “Essa falta de definição está deixando os negócios represados, porque o investidor não quer fazer a aposta sozinho. Prefere esperar.”

A dificuldade em encontrar um sócio impede que o Madero, que empreendeu um forte crescimento nos últimos anos, apesar da crise, alce voos mais altos. Atualmente com 135 restaurantes – incluindo oito de uma segunda marca de apelo popular lançada em 2018, a Jerônimo –, a companhia prevê superar a marca de R$ 1 bilhão em receita no ano que vem, ante R$ 500 milhões de 2017 e cerca de R$ 780 milhões de 2018.

O Madero, conta o empresário, está em busca de um sócio para reduzir o endividamento que tomou para financiar o crescimento. “Nosso objetivo é atrair um fundo de private equity como sócio para pagarmos a dívida”, conta Durski. “Nós temos uma boa geração de caixa, mas o serviço do pagamento da dívida é muito alto no Brasil.” O receio sobre a indefinição político-econômica do País leva o investidor a recolher as armas, diz o fundador do Madero: “Ele estão esperando com o anzol na mão, sem coragem de jogá-lo na água”.

Produtividade. Presidente de uma das principais exportadoras do País – a fabricante de celulose Suzano, que está próxima de concretizar uma fusão bilionária com a rival Fibria –, o executivo Walter Schalka diz que o Brasil precisa vencer as próprias amarras de produtividade – mexendo nas questões fiscal, previdenciária e tributária – para evitar que o País fique ainda mais atrasado em relação ao resto do mundo à medida que a economia global se digitaliza. “Para que essas mudanças aconteçam é preciso que o Congresso seja bem eleito e que tenha viés reformista”, diz.

Outro desafio, na visão de Schalka, é a redução do tamanho do Estado brasileiro, que tem um peso desproporcional na economia. Hoje, contando a carga tributária de cerca de 36% e o efeito do déficit nas contas públicas, o setor público concentra cerca de 40% da atividade econômica. “É necessário um choque de produtividade no Estado brasileiro, com privatizações. Isso porque os outros 60% (da iniciativa privada) não têm condições de carregar os 40% nas costas.”

Sem que as mudanças estruturais ocorram, o presidente da Suzano vê poucas chances de a economia brasileira deixar de ser refém da velha síndrome do “voo da galinha”, em que a economia dá eventuais saltos acima de sua capacidade para depois passar por um período de baixo crescimento, estagnação ou retração. “É necessário que se substitua o círculo vicioso pelo virtuoso, que traga investimentos que gera emprego, renda e consumo. Aí não faremos mais só voo de galinha.”

 

Mais conteúdo sobre:
economia investimento eleições 2018

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.