Investidores estão para sair do Brasil, alerta gestor de fundos

"Os investidores estão na porta para sair do País", alertou hoje o gestor de fundos para mercados emergentes do Oppenheimer Funds, Ruggero de Rossi, que reduziu suas aplicações em dívida brasileira de US$ 450 milhões em janeiro deste ano para apenas US$ 60 milhões atualmente. "Muitos investidores ainda têm posições grandes no Brasil, mas se a situação continuar crítica do jeito que está, dentro de duas ou três semanas poderá haver um novo movimento substancial de venda da dívida brasileira ", afirmou Rossi, em entrevista à Agência Estado. Segundo ele, os investidores estrangeiros estão extremamente preocupados com a situação do mercado financeiro brasileiro, especialmente em relação à queda de confiança do mercado quanto à capacidade do governo em rolar sua dívida doméstica. "A situação é crítica. A fuga de capitais é o que mais preocupa, pois os fluxos de saída ainda não são grandes, mas estão crescendo. Isso aumenta o medo de que o Brasil enfrente uma séria crise de balanço de pagamentos antes mesmo das eleições para presidente, observou o gestor?. Ele acredita que o Brasil passa pela sua fase mais vulnerável."A ascensão de Ciro Gomes (PPS) nas pesquisas eleitorais é o pior cenário possível para os investidores estrangeiros", explicou Rossi. Para ele, uma nova ajuda financeira do Fundo Monetário Internacional (FMI) é hoje o fator que poderia reverter a deterioração rápida da confiança dos mercados em relação ao Brasil. "O real vai estar sob forte pressão até que saia uma ajuda nova do FMI ou então que haja uma reversão nas pesquisas eleitorais em favor de José Serra (PSDB). Mas esse último fato só poderá ocorrer por volta de final de agosto", afirmou. Segundo ele, mesmo se o FMI não providenciar um pacote grande, qualquer ajuda será importante. "Algum dinheiro para o País atravessar as eleições", explicou o gestor do Oppenheimer Funds.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.