Investidores italianos protestam contra oferta argentina

Os investidores de varejo italianos fizeram um protesto do lado de fora do Parlamento, na capital Roma, invocando o governo para pressionar a Argentina a melhorar sua oferta para reestruturação da dívida para os 450 mil bônus em moratória que possuem. Cerca de 150 investidores e mais de uma dezena de grupos lobistas de consumidores exortaram os italianos a rejeitarem a proposta de reestruturação da Argentina, classificando a oferta de "miserável e pobre".Os grupos de consumidores, incluindo a Adusbef e a Codacons, disseram que o governo italiano deveria intervir e pressionar o governo argentino e o FMI. Os poupadores italiano, muitos dos quais têm laços de família com a Argentina, investiram em bônus argentinos no final da década de 1990, quando os juros dos bônus do governo italiano caíram em conseqüência da entrada do país na zona do euro. Os investidores italianos possuem cerca de 15% dos mais de US$ 100 bilhões da dívida em moratória da Argentina.Claudio Barrati, um artesão de 53 anos, que mora próximo de Florença, disse que perdeu cerca de 100 mil investidos com a moratória argentina. Barrati disse que aplicou seu dinheiro em bônus argentinos aconselhado pelo seu banco, o Cariprato. Francesca Balzani, uma dona de casa de 56 anos, disse que perdeu toda sua poupança. Ela disse que de forma alguma vai aceitar a oferta do governo argentino. O governo argentino disse que a operação de swap (troca) será realizada se receber a adesão de 50% dos credores. O secretário de Finanças da Argentina, Guillermo Nielsen, encontrou-se hoje com representantes de grupos credores italianos. Segundo os representantes dos credores, Nielsen disse que a Argentina não poderá melhorar os termos da oferta da operação de swap da dívida. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.