coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

Investidores mantêm cautela: dólar sobe 0,27% e Bolsa cai

O cenário externo mais uma vez influenciou os negócios no mercado financeiro nesta terça-feira. Permanece a preocupação com a inflação e com o comportamento dos juros nos Estados Unidos. O dólar comercial encerrou o dia cotado a R$ 2,2570 na ponta de venda das operações, em alta de 0,27% em relação aos últimos negócios de ontem.Os principais índices de ações do mercado norte-americano continuam sofrendo pesadas perdas, reagindo aos comentários agressivos sobre inflação feitos ontem pelo presidente do Federal Reserve (banco central dos Estados Unidos), Ben Bernanke, que elevaram a probabilidade de mais apertos na política monetária. Ao mesmo tempos, as declarações de Bernanke de que o crescimento econômico está desacelerando aumentaram as preocupações sobre a perspectiva para os lucros corporativos.Novos comentários agressivos do presidente do Federal Reserve Bank de St. Louis, William Poole, hoje também mexeram com os negócios. "Se ocorrer da inflação exceder nossas expectativas, nossa faixa de meta, eu não acredito que possamos contar com uma desaceleração da economia para baixar a inflação, por si só, rapidamente", disse Poole em entrevista ao Wall Street Journal. Às 16h41 (horário de Brasília), o dólar estava a 113,16 ienes, alta de 0,91%, enquanto o euro estava a US$ 1,2834, queda de 0,52%.As bolsas de Nova York fecharam em queda. O índice Dow Jones - que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - caiu 0,42%. A Nasdaq - bolsa que negocia ações do setor de tecnologia e Internet - fechou em baixa de 0,32%. No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) não conseguiu resistir e opera em baixa de 0,71%, às 17h08.As bolsas européias fecharam com perdas ao redor de 2%. A Bolsa de Moscou desabou 4,7% e a da Turquia perdeu 1,3%. O índice Nikkei caiu 1,81%.No mercado interno, a produção industrial de abril, divulgada hoje de manhã, ficou abaixo da mediana das expectativas, mas não foi vista como sinal de desaquecimento da economia brasileira. Dados sobre veículos da Anfavea vieram fortes e acabaram revertendo o pessimismo com o desempenho da economia brasileira.PreocupaçõesA preocupação dos investidores é com o comportamento da inflação nos Estados Unidos. O fato é que, se os preços sobem lá, os juros no país precisam subir para conter o consumo, o que reduz o risco de inflação. Porém, juros norte-americanos mais altos prejudicam o desempenho da economia no mundo todo, já que eles são grandes consumidores de produtos de todos os países. Além disso, para o mercado acionário, isso representa um custo maior para as empresas. O lucro tende a cair e as ações são fortemente impactadas.PetróleoO petróleo caiu com investidores menos preocupados com a disputa entre o Irã e o Ocidente. Hoje, o representante das Nações Unidas entregou o documento com o pacote de incentivos dos cinco países do Conselho de Segurança e da Alemanha e o Irã disse que o documento tem boas e ambíguas medidas. Na Bolsa de Nova York, os contratos de petróleo com vencimento para julho fecharam a US$ 72,50 o barril, queda de US$ 0,10 (0,14%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.