Arquivo
Arquivo

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

‘Investidores responderam pela maior parte das vendas de imóveis’

Segundo diretor de atendimento da Lopes, queda da Selic explica movimento

Entrevista com

Cyro Naufel, diretor da Lopes

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2020 | 04h00

A queda histórica da taxa básica de juros, a Selic, hoje em 2% ao ano, tem levado investidores a procurar imóveis. Dos empreendimentos novos vendidos pela Lopes entre março e agosto deste ano na capital paulista, 60% foram para pessoas interessadas em aplicar o seu capital no mercado imobiliário, a fim de obter renda com aluguéis. Cyro Naufel, diretor da consultoria imobiliária, conta que a maioria dos imóveis vendidos foram estúdios e apartamentos de um dormitório localizados em áreas estratégicas da cidade. A lógica dos investidores é que, com a renda do aluguel, é possível obter um retorno de 6% ao ano, além da correção pela inflação e da valorização do próprio imóvel.

Como estão as vendas de imóveis em meio à pandemia?

Vendemos 80% dos 18 empreendimentos lançados de março a agosto na capital paulista.

Esse resultado surpreendeu?

Sim, embora a gente tenha vendido menos do que em 2019, foi um volume maior do que imaginávamos. O mercado travou em meados de março, com o fechamento dos estandes de vendas por causa da quarentena. Não sabíamos como as vendas iriam se comportar. Abril foi o fundo do poço. Quando a Prefeitura liberou os plantões de vendas na virada de junho para julho, os negócios começaram a reagir. A retomada foi puxada pelo represamento do consumo e a queda na taxa de juros. 

Qual o perfil dos compradores?

60% das vendas foram para investidores e 40% para moradia própria. Os investidores buscaram imóveis compactos, entre 25 e 40 metros quadrados: estúdios ou apartamentos de um dormitório. São imóveis na planta na faixa de R$ 400 mil, financiados e voltados para locação.

São investidores que estavam com dinheiro aplicado no mercado financeiro e usaram recursos para comprar imóvel?

Tem um pouco de tudo. Aquela pessoa que estava com uma aplicação em renda fixa e viu que, com a taxa Selic em 2%, não está ganhando nada. Ele começa a fazer as contas e descobre que, com uma locação entre 0,4% e 0,5% ao mês do valor do imóvel, consegue um retorno, a grosso modo, de 6% ao ano. Fora isso, o aluguel é corrigido anualmente pelo IGP-M, sem contar com a valorização do imóvel a longo prazo.

Esse ritmo de vendas se sustenta?

A recuperação continua até o final do ano. Não vamos observar crescimento. Mas só o fato de o segundo ter ficado em linha com 2019 já é muito positivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.