Investimentos reagem após 15 quedas seguidas

Investimentos reagem após 15 quedas seguidas

Indicador teve alta de 1,6% no terceiro trimestre; mesmo assim, taxa deinvestimentos é a mais baixa para o período desde o início da série do IBGE

Daniela Amorim e Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2017 | 11h22

RIO - Após 15 trimestres seguidos de retração, os investimentos voltaram ao azul no terceiro trimestre do ano. A formação bruta de capital fixo (FBCF, conta dos investimentos no PIB) cresceu 1,6% em comparação ao segundo trimestre, segundo os dados divulgados nesta sexta-feira, 1, pelo IBGE. Ainda assim, a taxa de investimentos ficou em 16,1% do PIB, pior nível para terceiros trimestres desde 1996, início da série do IBGE. 

Tanto a produção nacional quanto a importação de bens de capital contribuíram para a elevação dos investimentos. Os destaques foram os investimentos em máquinas e equipamentos, caminhões e ônibus. 

++Disputa dentro do governo federal por Rota 2030 sobe de tom

Segundo cálculos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o consumo de máquinas e equipamentos puxou a melhora dos investimentos, mas a construção também contribuiu positivamente no período, embora ainda não haja retomada no setor. Por outro lado, o componente “outros investimentos” - que inclui desde touro reprodutor a pés de café, passando por recursos empenhados em pesquisa e desenvolvimento - recuaram 2,2%.

“A retomada é de máquinas e equipamentos”, disse José Ronaldo de Castro Souza Júnior, diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea. 

++Apesar de alta das importações, Brasil tem superávit comercial de US$3,54 bi em novembro

O economista José Luís Oreiro, professor da Universidade de Brasília (UnB), lembrou que, depois de tanto tempo investindo pouco, as empresas são obrigadas a modernizar o maquinário. Por isso, segundo Souza Júnior, do Ipea, a construção ainda tem ociosidade alta em todos os ramos: residencial, comercial e industrial. “Quando você retoma a produção, não é necessário investir em construção. Você precisa é fazer alguma modernização e manutenção de máquinas e equipamentos”, disse Souza Júnior.

Isso contribuiu para o avanço de 1,4% na indústria da transformação no terceiro trimestre ante o segundo, puxando a alta de 0,8% no PIB industrial. 

Só que a indústria da construção ficou estagnada, por causa dos cortes de investimentos do governo e a conjuntura econômica desfavorável,disse Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE. O segmento de infraestrutura foi o que mais sofreu. Em momentos de austeridade, os investimentos são as despesas mais fáceis de cortar. O fenômeno ocorre nas três esferas de governo: federal, estadual e municipal.

++Mesmo com alta pequena, PIB do 3º trimestre amplia otimismo do mercado sobre recuperação

“Com os governos impossibilitados de fazer obras, isso ainda vai perdurar. Você pode construir residências, mas essa parte sozinha não ajuda o desempenho da construção no PIB. O importante é que máquinas e equipamentos estão se recuperando”, disse o economista Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Concessões. Os leilões de concessões realizados recentemente e os que ainda estão por vir podem ajudar numa recuperação futura. O Ipea prevê uma retração de 2,5% nos investimentos em 2017, seguida por avanço de 4,2% em 2018. “Investimentos dependem mais de confiança. O problema é que no ano que vem teremos eleição”, disse Souza Júnior.

Para o PIB, a expectativa do Ipea é de alta de 0,7% este ano e avanço de 2,6% no ano que vem. “Mas provavelmente vamos revisar as projeções, e com viés de alta. Os dados estão melhores do que estávamos esperando. Houve revisão para cima. O PIB todo foi revisto, então devemos revisar para cima também nossas expectativas”, concluiu Souza Júnior.

Mais conteúdo sobre:
PIB [Produto Interno Bruto]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.