Investimento de US$ 120 mi dará 30 anos de sobrevida à Angra I

A troca dos dois geradores de vapor da Usina Nuclear de Angra I propiciará uma sobrevida de cerca de 30 anos à unidade nuclear instalada em Angra dos Reis, no litoral sul do Estado, ampliando a sua operacionalidade até 2050. A afirmação foi feita nesta terça-feira, no Rio, pelo presidente da Eletronuclear (subsidiária da Eletrobrás), Zieli Dutra Filho.Zieli Filho confirmou que a contratação dos dois novos geradores a vapor vai custar 44 milhões de euros ? cerca de US$ 120 milhões. O contrato, assinado no último dia 15 de maio, prevê a entrega dos geradores em um prazo de 40 meses. Para promover a troca dos equipamentos, que deverá acontecer no final de 2007, será necessária a paralisação de Angra I por cerca de 4 meses ? período em que serão montados os geradores. Os geradores a vapor são grandes trocadores de calor verticais que transferem calor do circuito primário para o secundário. A água aquecida sob alta pressão circula através dos tubos, aquecendo a água do circuito secundário para que a mesma se transforme em vapor e acione as turbinas e o gerador elétrico.A usina de Angra I respondeu no ano passado, por 1,5% da produção nacional de energia elétrica e atendeu a 1,7 milhão de habitantes. Com Angra II, a outra unidade nuclear brasileira com seus mais de 1.300 MW, atende a 50% do consumo de energia do Estado do Rio de Janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.