Agência Brasil
Agência Brasil

Investimento direto soma 4% do PIB nos últimos 12 meses, diz Levy

Para ministro da Fazenda, Brasil tem papel fundamental na atração de investimentos no mundo e ainda é um dos destinos preferidos dos investidores

Francisco Carlos de Assis, Álvaro Campos, O Estado de S. Paulo

27 Outubro 2015 | 14h11

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse nesta terça-feira que o Brasil tem papel fundamental na atração de investimentos no mundo e continua sendo um dos destinos preferidos dos investidores.

De acordo com Levy, que participa de evento da Sobeet em São Paulo, o investimento direto no Brasil no acumulado dos últimos 12 meses somou US$ 72 bilhões, quase 4% do Produto Interno Bruto (PIB). Desse valor, ele destacou que os investimentos têm sido feitos em setores diversificados.

Levy disse ainda que, em contrapartida, empresários brasileiros têm feito investimentos em outros países e estão presentes em 94 nações. "Tenho participado de muitos eventos lá fora organizados por bancos brasileiros, o que quase não se via há pouco tempo", disse Levy. Os investimentos no exterior, por outro lado, afetam o estoque, afirmou o ministro.

Levy destacou que a mudança na dinâmica de preços de matérias-primas tem alterado o destino do investimento estrangeiro. Ele citou como exemplo a queda dos investimentos no setor de petróleo e gás, que tirou cerca de 2 pontos porcentuais do PIB. 

Orçamento. O ministro também voltou a bater na tecla da necessidade de o Legislativo aprovar as medidas fiscais de curto prazo e da sinalização do Orçamento de 2016 como pontos essenciais para a retomada do crescimento da economia. 

De acordo com o ministro, aprovadas as medidas fiscais e resolvida a questão do Orçamento, a confiança do  investidor volta e a economia retoma a trajetória de crescimento.

"Não há dúvida de que o investimento é o elo entre o curto e o longo prazos", disse Levy, acrescentando que o investimento terá papel importante na retomada do crescimento. 

Mais conteúdo sobre:
Levyajuste fiscal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.