Investimento: dólar lidera ranking de novembro

A instabilidade no cenário externo - incertezas na Argentina, alta do preço do petróleo e o desaquecimento da economia norte-americana - são os motivos que colocaram o dólar no topo do ranking de investimentos em novembro. No acumulado do mês, a variação é de 4,21%. Em períodos de instabilidade, a tendência é de que os recursos das aplicações sejam direcionados para ativos sem risco, como a moeda norte-americana. O resultado foi a forte valorização do ativo.Com a alta do dólar, os fundos cambiais ficaram bem posicionados no ranking de novembro. Na média, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Executivos de Mercado de Capitais (Ibmec), o ganho líquido foi de 4,18%. O terceiro lugar no ranking foi ocupado por fundos de renda fixa, atrelados à taxa de juros, que acumularam ganho de 1,16% no período, segundo o Ibmec. Na seqüência ficaram os Certificados de Depósito Bancário (CDBs) de 30 dias para médias quantias, com rentabilidade de 0,886%; e a poupança, com 0,6203%. Tanto as aplicações atreladas ao dólar como as indexadas às taxas de juros ficaram com rendimento acima dos índices de inflação. Para se ter uma idéia, o Índice Geral dos Preços do Mercado (IGP-M) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) referente a novembro ficou em 0,29%.Mercado acionário em baixaO anúncio dos resultados das empresas abaixo do esperado nos Estados Unidos e a incerteza em relação ao desaquecimento da economia norte-americana, com possibilidade de desaceleração forte, fizeram com que as bolsas de Nova York acumulassem fortes quedas em novembro. Na Nasdaq - bolsa dos Estados Unidos que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet - o recuo é de 19,61% em novembro. Seguindo a mesma tendência, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) acumulou uma perda de 10,63% no mesmo período. Os dados do Ibmec mostraram que, em média, os fundos de ações caíram 7,07%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.