Investimento em Petrobras pode render 109%

O preço das ações ON - ordinárias, com direito a voto - da Petrobras para quem adquiriu cotas de fundos da companhia com recursos do FGTS ou para quem fez a aquisição com recursos próprios até R$ 100 mil ficou em R$ 34,46 por ação. Esse valor embute o desconto de 20% sobre o preço de venda pelo governo, de R$ 43,07.Em estudos feitos por algumas corretoras, o ganho estimado nos próximos 12 meses para investidores que fizeram a aquisição com desconto varia entre 74,5% e 109%. Para o saldo que permaneceu na conta vinculada, o rendimento projetado para o mesmo período é de 5%. No Chase Manhattan, a estimativa é que a ação atingirá o preço-alvo de R$ 60,12, o que significa rendimento de 74,5%, com o desconto. Já no ING Investment Management, a perspectiva é que o papel alcance cotação de R$ 72,00, com ganho de 109%.O cálculo do preço-alvo leva em consideração as contas da empresa, que, segundo analistas, indicam crescimento nos próximos anos. Vale lembrar que, com o reforço de expectativas positivas no cenário macroeconômico e os investidores apostando mais em bolsa, esses preços poderão ser atingidos antes do prazo de 12 meses estipulado pelos especialistas e por isso deverão ser revistos. Mas, no caso de uma eventual virada do mercado, esses preços também podem ser revistos para baixo.Investimento em ações pode ter oscilaçõesO optante que não está habituado a aplicar em ações não pode esquecer que o mercado acionário está sujeito a oscilações. No caso dos fundos de ações da Petrobras, a instabilidade nas cotações pode ser ainda mais intensa, porque, ao contrário da maior parte dos produtos oferecidos pelas instituições, essas carteiras são compostas por apenas um papel e, com isso, o seu risco é concentrado, ficando totalmente atrelado ao desenvolvimento de uma só empresa. Fatores diversos como o crescimento econômico da Petrobras e escândalos políticos no País podem alterar o desempenho da ação na bolsa. Outros itens importantes que podem influenciar o desempenho do papel e devem ser observados pelos aplicadores são a cotação do petróleo no mercado internacional e a expectativa de produção da Petrobras. Vale lembrar que ainda existe a possibilidade de uma volatilidade no curto prazo por conta de fatores externos que dificilmente podem ser previstos, diz.Na opinião do gerente de Finanças da Socopa Corretora, Gregório Mancebo, o investidor não deve preocupar-se com a oscilação do papel em bolsa. Como o investimento nos fundos de Petrobras é de no mínimo um ano e a perspectiva para 2001 continua sendo de bons resultados para a empresa, somente uma crise externa acentuada poderia afetar a valorização da ação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.