Investimento está se recuperando, afirma secretário da Fazenda

Contrariando as expectativas negativas para economia e o cenário internacional, Márcio Holland disse que o Brasil passa por momento de recuperação

Adriana Fernandes e Lais Alegretti, da Agência Estado,

14 de agosto de 2013 | 17h07

BRASÍLIA - O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, traça um quadro extremamente positivo para a economia brasileira. Contrariando as expectativas negativas para a economia, Holland destacou que desde o quarto trimestre do ano passado, o quadro é de recuperação do crescimento com investimentos. Ele destacou que os dados da produção mensal mostram uma forte expansão de bens da capital, que aponta para um crescimento sustentável. "Os números mostram isso na recuperação da economia".

Ele disse que o ciclo de investimento deve persistir nos próximos anos. "De fato temos condições de crescer bem mais de formação bruta de capita fixo do que nos últimos 10 anos", afirmou.

Em seminário organizado pelo PMDB, o secretário afirmou que o Brasil está num processo de recuperação mesmo num ambiente de adversidade internacional. Na sua palestra, ele avaliou que a recuperação econômica mundial ainda é lenta e marcada com alguma incerteza.

Holland disse que a recuperação das economias centrais está se iniciando, mas vai "tomar mais um tempo". Ele falou sobre o impacto da frustração das expectativas em torno do crescimento das economias mundiais. Mas ponderou que no período da crise o Brasil teve um crescimento médio de 3,7%, enquanto a média mundial foi de 3,3%. "O Brasil tem tido uma capacidade de resistência muito grande", afirmou.

Competitividade. Holland afirmou que o modelo de crescimento do Brasil é focado no investimento, com intenso processo de qualificação dos trabalhadores. Ele destacou, ainda, a redução da desigualdade de renda e aumento de oportunidades

"A estratégia de política econômica tem sido, nos últimos anos, focada em promover a competitividade através de redução de custo generalizados", afirmou, citando custos tributários e financeiros. "Temos mantido o tripé econômico, mas com nova matriz macroeconômica", disse Holland.

Holland listou como medidas para aumento da competitividade a redução da tarifa de energia, desoneração voltadas pra investimento e produção, além de programa de concessão em infraestrutura.

O secretário disse, ainda, que há movimentação forte no Brasil na direção da redução das taxas reais de juros. "É difícil comparação das nossas taxas de juros com internacionais, mas há movimentação nos últimos anos do Brasil da redução das taxas de juros no Brasil", disse.

Holland afirmou que a agenda de redução de custos na economia já avançou bastante e é de caráter permanente. Ao apresentar dados de 2002 a 2011, Holland disse que a alta do investimento médio do investimento no Brasil é maior do que a média mundial.

Tudo o que sabemos sobre:
economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.