Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Investimento Estrangeiro Direto soma US$ 4,8 bilhões em setembro

No acumulado do ano até o mês passado, o IED soma US$ 43,782 bilhões, o equivalente a 2,63% do PIB

Célia Froufe e Eduardo Cucolo, da Agência Estado,

25 de outubro de 2013 | 10h46

BRASÍLIA - Os Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) somaram US$ 4,770 bilhões em setembro, resultado que ficou acima dos US$ 4,393 bilhões registrados no mesmo período do ano passado, conforme informou o Banco Central.

Os aportes externos voltados ao investimento produtivo ficaram dentro das estimativas do mercado financeiro colhidas pelo AE Projeções, que iam de US$ 3,5 bilhões a US$ 5 bilhões, com mediana de US$ 4,8 bilhões.

No acumulado do ano até o mês passado, o IED soma US$ 43,782 bilhões, o equivalente a 2,63% do Produto Interno Bruto (PIB). No mesmo período do ano passado, o IED acumulado era de US$ 47,597 bilhões (2,84% o PIB). No 12 meses até setembro, o IED está em US$ 61,457 bilhões, o que corresponde a 2,74% do PIB.

Renda fixa

O saldo de investimento estrangeiro em títulos de renda fixa negociados no País somou a robusta quantia de US$ 7,245 bilhões em setembro. Para se ter uma ideia da grandiosidade do número, no mesmo mês de 2012, o resultado havia sido positivo em US$ 736 milhões.

No acumulado do ano até setembro, entraram no País US$ 27,833 bilhões para aplicações neste investimento ante US$ 4,094 bilhões vistos no mesmo período do ano passado. Já o investimento em títulos negociados no exterior ficou negativo em US$ 1,116 bilhão em setembro de 2013. No mesmo período do ano passado, essas aplicações ficaram positivas em US$ 1,474 bilhão.

Tudo o que sabemos sobre:
IEDBanco Centralinvestimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.