portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

Investimento estrangeiro dobra em fevereiro e soma US$ 1,9 bi

Ingresso de recursos vindos do exterior soma US$ 3,898 bilhões nos dois primeiros meses do ano, segundo o BC

Adriana Fernandes e Fabio Graner, da Agência Estado,

24 de março de 2009 | 10h49

O ingresso de investimentos estrangeiros diretos (IED) no Brasil dobrou em fevereiro, na comparação com o mesmo mês de 2008, somando US$ 1,968 bilhão. O resultado é ligeiramente superior ao projetado pelo Banco Central no mês passado, que esperava um fluxo de IED de US$ 1,8 bilhão.

 

 

 

Veja também:

linkContas externas melhoram em fevereiro, mas déficit continua

 

O chefe do Departamento Econômico (Depec) do Banco Central, Altamir Lopes, destacou como importante o fato de a economia brasileira, a despeito da crise financeira internacional, continuar recebendo "fortes" ingressos de IED. Ele fez questão de ressaltar que o volume de IED registrado em fevereiro, de US$ 1,968 bilhão, é o maior para o mês desde 1999, quando o fluxo foi de US$ 4,62 bilhões.

 

Os investimentos estrangeiros em ações, porém, tiveram saldo negativo de US$ 343 milhões no mês. Os investimentos em ações negociadas no País tiveram saídas de US$ 321 milhões e as negociadas no exterior, saldo negativo de US$ 21 milhões. Em fevereiro do ano passado, os investimentos em ações também tiveram saldo negativo, de US$ 270 milhões.

 

Os investimentos em títulos de renda fixa, em fevereiro, tiveram saldo negativo de US$ 1,327 bilhão, acumulando, no ano, saldo negativo de US$ 3,128 bilhões. Em fevereiro do ano passado, a renda fixa registrava ingressos de US$ 2,886 bilhões e acumulava, no primeiro bimestre, saldo positivo de US$ 4,198 bilhões.

 

Os investimentos em títulos negociados no País tiveram saídas de US$ 734 milhões em fevereiro e acumulam, no ano, saldo negativo de US$ 2,363 bilhões. Já os títulos negociados no exterior, tiveram saídas de US$ 593 milhões em fevereiro e acumulam, no ano, US$ 764 milhões de saídas.

 

No primeiro bimestre do ano, o ingresso de investimentos estrangeiros diretos soma US$ 3,898 bilhões. No período, as aplicações em ações acumulam saldo negativo de US$ 885 milhões ante déficit de US$ 3,351 bilhões em janeiro e fevereiro de 2008. Em 12 meses, o saldo até fevereiro subiu para US$ 43,243 bilhões ou 2,90% do PIB. Até janeiro, o IED acumulado era de US$ 42,164 bilhões ou 2,75% do PIB.

 

Altamir disse que, embora o BC tenha reduzido a previsão de ingresso de IED para o ano, de US$ 30 bilhões para US$ 25 bilhões, a trajetória é positiva. Ele destacou que a projeção é conservadora e o investimento estrangeiro é mais do que suficiente para financiar o déficit em transações correntes previsto para o ano, que é de US$ 16 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.