Investimento estrangeiro na China cai, mas deve superar US$100 bi no ano

O investimento estrangeiro direto (IED) na China deve atingir 100 bilhões de dólares em 2012, apesar de a maior queda nos fluxos desde 2009 ter voltado a ocorrer em outubro, abalado pelo cenário incerto para gastos corporativos diante da fragilidade do comércio mundial.

Reuters

20 de novembro de 2012 | 10h39

O Ministério do Comércio informou na terça-feira que a China atraiu 91,7 bilhões de dólares em investimento estrangeiro direto entre janeiro e outubro, queda de 3,45 por cento sobre o mesmo período do ano passado. É o décimo mês cujo dado acumulado cai na mesma comparação sobre 2011.

"Vemos que há muitas fatores de incerteza pesando na economia global e o mais severo é a fraca demanda mundial", afirmou o porta-voz do ministério Shen Danyang em entrevista coletiva.

A economia chinesa é bastante sensível à demanda externa, apesar do gradual reequilíbrio para um maior consumo interno.

O total de exportação chegou a 31 por cento do Produto Interno Bruto em 2011, de acordo com dados do Banco Mundial. Cerca de 200 milhões de empregos do país estão localizados no setor de exportação ou amparados diretamente por investimentos estrangeiros. Isso torna o dado do IED importante sobre a perspectiva do setor industrial do país.

Apesar da desaceleração no fluxo, a China continua firme para alcançar mais de 100 bilhões de dólares em investimentos estrangeiros pelo terceiro ano consecutivo, de acordo com os dados da Conferência das Nações Unidas para Comércio e Desenvolvimento (Unctad, na sigla em inglês), que agrega estatísticas de IED mundialmente.

(Reportagem de Aileen Wang)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROIEDCHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.