Investimento estrangeiro tem forte recuperação em fevereiro e já soma US$ 2,2 bi

Em janeiro, investimentos produtivos decepcionaram e totalizaram apenas US$ 789 milhões 

23 de fevereiro de 2010 | 11h32

O ingresso de Investimento Estrangeiro Direto (IED) soma US$ 2,2 bilhões em fevereiro até esta terça-feira, segundo informou o chefe adjunto do Departamento Econômico do Banco Central, Túlio Maciel. Ele espera que o mês encerre com um ingresso de US$ 2,7 bilhões em investimentos produtivos, o que representa uma forte recuperação na comparação com janeiro, quando a entrada de IED somou US$ 789 milhões.

 

Maciel explicou que parte do fraco volume observado no mês passado pode ter refletido a decisão de algumas empresas de antecipar a remessa de investimento produtivo ao Brasil nos últimos dias de dezembro de 2009. Ele também informou que a projeção do Banco Central para o déficit em transações correntes em fevereiro é de US$ 1,9 bilhão. Em janeiro, o déficit foi de US$ 3,841 bilhões. 

 

No acumulado dos últimos 12 meses até janeiro, o ingresso de investimento produtivo no Brasil soma US$ 24,808 bilhões, o equivalente a 1,52% do PIB. Em igual período até janeiro de 2009, o IED somava US$ 42,162 bilhões, ou 2,64% do PIB.

 

Investimentos em ações

 

Os investimentos estrangeiros em ações brasileiras registram em janeiro ingresso líquido de US$ 1,261 bilhão, de acordo com dados do Banco Central. Em janeiro de 2009, ao contrário, a conta tinha registrado saída líquida de US$ 542 milhões.

 

As ações negociadas no País tiveram saldo positivo de US$ 1,278 bilhão em janeiro, enquanto as negociadas no exterior tiveram saldo negativo de US$ 17 milhões. Por sua vez, os investimentos estrangeiros em títulos de renda fixa tiveram saldo positivo em janeiro de US$ 2,428 bilhões, ante saldo negativo de US$ 1,801 bilhão de janeiro de 2009.

 

Os títulos negociados no País tiveram saldo positivo de US$ 1,129 bilhão e os negociados no exterior, saldo também positivo de US$ 1,299 bilhão.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.