Investimento externo soma US$ 50 bi até setembro e é o maior desde 1947

Nos nove primeiros meses de 2010, o IED somou apenas US$ 22,5 bi

Fernando Nakagawa e Fábio Graner, da Agência Estado,

25 de outubro de 2011 | 11h33

BRASÍLIA - O Investimento Estrangeiro Direto (IED) no acumulado de janeiro a setembro de 2011 é de US$ 50,4 bilhões, o maior valor da série iniciada em 1947 para o período. O resultado equivale a 2,79% do PIB, superior ao registrado nos nove primeiros meses de 2010, quando o IED somou US$ 22,557 bilhões ou 1,45% do PIB. Em todo o ano passado, o IED somou US$ 48,4 bilhões.

Em setembro, o IED alcançou US$ 6,326 bilhões em setembro, segundo dados divulgados pelo Banco Central, o maior resultado para o mês desde 2004. O valor do ingresso no mês ficou acima do teto das expectativas de analistas

O montante de IED registrado em setembro foi também superior ao observado em igual mês do ano passado, quando o investimento somou US$ 5,404 bilhões.

Nos 12 meses encerrados em setembro, o IED acumula entrada de US$ 76,332 bilhões, o correspondente a 3,26% do PIB. Em relação ao tamanho da economia, o investimento produtivo cobre com folga o déficit em transações correntes, que soma o equivalente a 2,05% do PIB no mesmo período. 

'Confiança'

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Túlio Maciel, ressaltou que o déficit em transações correntes segue sendo completamente financiado pelo ingresso de IED. "Em setembro, o IED veio acima da nossa previsão e isso reflete a confiança dos investidores estrangeiro com o País".

Maciel observou que o IED é menos influenciado por movimentos de curto prazo. "O ingresso é determinado por uma análise econômica de horizonte de tempo mais amplo, dada a maturidade que esses investimentos exigem", disse.

O chefe do Departamento Econômico do BC observa que esses investimentos são determinados conforme "os fundamentos e as perspectivas de crescimento da economia". "A perspectiva é de que esses fluxos continuem entrando no País", disse, ao lembrar dos investimentos para a exploração do petróleo do pré-sal e os eventos esportivos de 2014 e 2016.

Outubro

Maciel que o fluxo de Investimento Estrangeiro Direto (IED) em outubro, até o último dia 21, está positivo em US$ 3,400 bilhões. Ele espera que esta conta encerre o mês com ingresso líquido de US$ 4 bilhões.

No acumulado dos últimos 12 meses, o IED (de US$ 76,332 bilhões) tem o maior saldo da série em valores nominais e o resultado mais elevado desde dezembro de 2002 quando se analisa o dado em porcentagem do Produto Interno Bruto (PIB).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.