Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Investimento na infraestrutura cresce 11% e vai a R$ 146 bilhões

Quase metade desse valor (R$ 73 bilhões) foi destinada ao setor de petróleo e gás

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2011 | 00h00

O volume de investimentos no setor de infraestrutura teve um crescimento real de 11% no ano passado, para R$ 146 bilhões. Quase metade desses recursos, R$ 73 bilhões, foi destinada ao setor de petróleo e gás, cujo volume cresceu 13% no ano passado. O restante foi dividido entre outras quatro áreas: transportes, energia elétrica, saneamento básico e telecomunicações.

Os dados fazem parte de levantamento anual elaborado pela Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), que acompanha os investimentos públicos e privados feitos no Brasil desde 2003. Nesse período, o setor recebeu R$ 788 bilhões. Apesar disso, os números estão aquém das necessidades do setor, avalia o presidente da Abdib, Paulo Godoy.

Ele destaca que o País está investindo em torno de 4% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto em outras nações emergentes esse porcentual está na casa de 14%. Além disso, os R$ 146 bilhões injetados no setor incluem os projetos da Petrobrás, o que distorce um pouco a situação. No segmento de transportes, por exemplo, o volume investido foi de R$ 27,8 bilhões, destinados a rodovias, aeroportos, ferrovias, hidrovias e portos. Quase todas essas áreas estão com demanda acima da capacidade.

Opções de financiamento. De acordo com o levantamento, dois setores registraram queda no volume de investimento. Em telecomunicações, os recursos aplicados em novos projetos e melhorias caíram 5,32%, de R$ 16,9 bilhões para R$ 16 bilhões. A área de saneamento, que representa a maior carência do Brasil, teve redução de 3,84% nos investimentos, de R$ 7,8 bilhões para R$ 7,5 bilhões.

Para Godoy, os números são reflexo da falta de mecanismos para financiar os projetos de infraestrutura, de longa maturação. "Não temos funding (recursos). O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) está no limite, já que tem de financiar tudo", afirma o executivo. Na avaliação dele, esse é o maior desafio para elevar a trajetória de investimento do País.

Ele lembra que, há anos, a Abdib vem alertando para o problema, que apenas será resolvido com o fortalecimento de fontes de financiamento alternativas ao BNDES.

Isso inclui fundos de investimento em participação e a criação de um mercado secundário de títulos - instrumentos previstos na Medida Provisória 517, que a Câmara dos deputados aprovou na semana passada e falta passar pelo Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.