Investimento: veja as melhores opções

Os fundos multicarteira e de capital garantido podem ser opção interessante para o investidor conservador que quer aproveitar parte da alta que a Bolsa pode apurar até o fim do ano, mas tem medo de comprar ações diretamente no pregão ou de entrar num fundo de ações. Analistas acreditam que, com a queda dos juros de 18,50% para 17,50% ao ano e a diminuição da instabilidade externa, a Bolsa tem boas chances de valorização até o final do ano.No caso dos fundos de capital garantido, há segurança de que, depois do período de carência da aplicação - quase sempre de 63 dias -, o saque nunca será menor que o valor aplicado. Se a Bolsa subir, o fundo fica com 30% a 40% da valorização. Se a Bolsa cair, o aplicador não perde nada, deixando de ganhar apenas a variação dos juros no período. É destinado ao investidor muito conservador, que não consegue conviver com a idéia de ver a cota de seu fundo registrar variação negativa. A maior parte dos recursos - em geral 97% do patrimônio -, é aplicada em títulos prefixados. Os 3% restantes são usados para comprar opções de ações. Se a Bolsa sobe, o gestor exerce o direito de comprar as ações ao preço determinado no momento da aquisição da opção. Se a Bolsa cai, o administrador não exerce a opção. E essa diferença destinada para a Bolsa que vai garantir o rendimento diferenciado.Os fundos multicarteira investem parte dos recursos em renda fixa e parte em Bolsa, seja por meio da compra de ações, seja por meio de operações no mercado futuro, ou pela aquisição de cotas de outros fundos. Há multicarteiras mais e menos agressivos, dependendo do porcentual que pode ser alocado em Bolsa, que pode chegar a mais de 70%. Como a liquidez é diária, o investidor pode sacar em qualquer dia, após a aplicação. Devido à maior alocação de recursos em Bolsa, as cotas registram oscilação maior do que nos de capital garantido. Analistas apostam nos fundos multicarteiras O diretor da Hedging-Griffo Asset Management, Luis Stuhlberger, entende que, para prazos mais longos, os fundos multicarteira são mais indicados que os de capital garantido. Ele complementa que, para que haja uma perda de capital, é preciso que a Bolsa tenha uma forte queda. Stuhlberger diz que os fundos de capital garantido são boa opção apenas quando há perspectiva de alta das Bolsas no curto prazo, mas ainda persistem incertezas no cenário. Renato Raglione, diretor de Marketing e Produtos da Unibanco Asset Management (UAM), diz que não se pode dizer que os fundos multicarteira são melhores do que os de capital garantido. Segundo ele, tudo depende do perfil do investidor. Há aplicadores que querem beneficiar-se da alta da Bolsa, mas não suportam a idéia de que a cota do fundo registre variação negativa. No caso desses investidores, os fundos de capital garantido são a opção indicada. Para prazos mais longos, Raglione entende que os multicarteira tendem a ser mais rentáveis. O diretor de Risco da Lloyds Asset Management (LAM), Gilberto Poso, é mais um especialista que vê vantagens dos fundos multicarteira. Eles permitem que o investidor aplique em mais de um mercado por meio de um único fundo. E a decisão de aumentar ou diminuir a exposição à Bolsa fica com o gestor. Em muitos casos, o porcentual aplicado em ações não é fixo. O administrador é que decide se é o momento de dar maior ou menor prioridade à Bolsa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.