Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Investimentos do PAC estão próximos a R$ 600 bi, diz Bernardo

Montante reflete aumento de quase R$ 100 bi sobre estimado em 2007, gerado pela atuação do Poder Executivo

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

27 de novembro de 2008 | 16h30

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, afirmou nesta quinta-feira, 27, que os investimentos relativos ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) estão próximos dos R$ 600 bilhões, montante superior aos R$ 504 bilhões estimados no começo de 2007, quando o programa foi lançado pelo governo federal. Segundo ele, o aumento é um reflexo da atuação do Poder Executivo, que tem o objetivo de manter os investimentos de infra-estrutura nos próximos anos, apesar dos efeitos da crise financeira internacional sobre a economia mundial e brasileira. "É um compromisso do governo, do presidente Lula, manter os investimentos. Aliás na última reunião ministerial, ele alertou que teremos que acrescentar outros investimento no PAC", comentou o ministro.   Veja também: O balanço do PAC De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise     Segundo Paulo Bernardo, entre outros investimentos que não estão relacionados no PAC estão projetos de obras relativas à Copa do Mundo de 2014. Ele destacou que deverá ocorrer a construção de estádios e hotéis, que terão participação majoritária do setor privado, mas será necessário também ampliar e modernizar a malha de transportes de muitas cidades, o que demandará recursos de origem pública.   Além de frisar que o PAC será uma âncora do crescimento econômico nos próximos anos, o ministro do Planejamento destacou alguns projetos de infra-estrutura que o governo deverá avançar no curto prazo. Um deles é concluir a segunda etapa do processo de concessão de rodovias federais BR 116 e BR 324, num total de 640 quilômetros. Segundo Bernardo, no próximo ano deverá ocorrer também o leilão de concessão para 4.060 quilômetros de outras estradas federais.   O ministro ressaltou que também existe a previsão de investimentos entre US$ 10 bilhões a US$ 11 bilhões para o trem de alta velocidade, conhecido como o trem-bala, que fará o trajeto entre as cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas. Segundo ele, a modelagem da obra já está pronta e a próxima etapa do projeto deve ser a consulta pública, mas ele não se previu em quanto tempo isso deverá ocorrer.   Apesar da crise internacional, Paulo Bernardo afirmou que o governo também decidiu manter os planos relativos à exploração de petróleo do pré-sal, que deve envolver perto de US$ 600 bilhões em investimentos num prazo de 10 a 12 anos. "O governo está adotando uma forte política anticíclica para garantir a continuidade dos investimentos do País", destacou, o que é essencial para a estratégia do Poder Executivo de fazer com que o PIB cresça 4% em 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.