Investimentos espanhóis na Argentina terão novos critérios

O Ministério de Economia espanhol está próximo a definir uma resolução que vai endurecer os critérios contábeis que serãoaplicados aos investimentos de empresas desse país na Argentina. A resolução, que deverá ser divulgada até o final desta semana, deve atingir também investimentos espanhóis em outros países latino-americanos, inclusive o Brasil, e terão efeitos nos balanços de 2001.Os novos critérios, que vêm sendo preparados pelo Instituto de Contabilidade e Auditoria de Contas (Icac) e depende do Ministério de Economia, vai incluir os efeitos da desvalorização do peso argentino e o tipo de câmbio a ser aplicado para contabilizar as dívidas das subsidiárias das companhias espanholas instaladas em território argentino.O governo espanhol evitou fazer qualquer comentário a respeito, mas fontes da fiscais consultadas pela imprensa informaram que a nova disposição afetará significativamente os resultados consolidados das empresas espanholas com fortes investimentos na Argentina.As mudanças podem englobar toda a América Latina e não apenas a Argentina, mas o Ministério de Economia espanhol também não quis comentar nada sobre o assunto. Fontes da Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) explicaram que aprovaram o projeto de resolução do governo espanhol. As empresas (subsidiárias e grupos) afetadas terão de cumprir os atuais requisitos de informação de acordo com os novos critérios contábeis. Dessa forma, será possível saber o impacto da crise econômica e financeira argentina nos balanços.A resolução, ainda de acordo com fontes consultadas pela imprensa espanhola, levará em conta quatro linhas gerais:1) o tipo de incidência ou impacto da desvalorização do peso argentino; 2) o fim da paridade entre o dólar e o peso; 3) o tipo de câmbio a ser aplicado pelas empresas para contabilizar as dívidas das subsidiárias espanholas naArgentina; 4) como enfrentar a inadimplência e quais serão os critérios para amortizar o fundo de comércio.A resolução vai mostrar que a desvalorização do peso não é apenas um fato que ocorreu em 2002, mas reflete um problema anterior, razão pela qual deverá ser registrado nos balanços de 2001, que as empresas espanholas estão prestes a concluir este mês. Além disso, para quantificar a dívida das subsidiárias argentinas, o Icac estabelecerá que os passivos não poderão mais ser contabilizados com a paridade peso/dólar, mas deverá ser adotado um tipo de câmbio de acordo com a atual situação.Isso deve fazer com que a dívida de muitas empresas na Argentina aumente e a diferença deverá ser provisionada nos balanços de 2001, o que certamente terá um sério impacto sobre os lucros consolidados. O documento deve estabelecer também o provisionamento para a inadimplência acumulada na Argentina, dada a situação grave da crise econômica que enfrenta o país.Finalmente, o Icac estabelecerá que as empresas que tenham contabilizado fundos de comércio por causa de seus investimentos na Argentina deverão acelerar a amortização para reduzir riscos futuros ou eventuais da América Latina nas matrizes espanholas.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.