Lucas Jackson/Reuters
Lucas Jackson/Reuters

coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Investimentos sustentáveis têm desempenho superior aos tradicionais no 1º trimestre de 2020

Segundo estudo da gestora americana BlackRock, fundos verdes possuem resistência superior aos 'comuns' em meio à crise do coronavírus

Karla Spotorno, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2020 | 22h35

Os investimentos sustentáveis tiveram desempenho melhor que as opções tradicionais no primeiro trimestre de 2020, segundo relatório da empresa de gestão de ativos BlackRock, divulgado com exclusividade pelo Estadão/Broadcast no Brasil. Os dados levam em consideração alguns dos principais indicadores 'verdes' dos mercados internacionais.

Conforme o estudo, 51 dos 57 índices de sustentabilidade da empresa Morningstar, analisados pela BlackRock, tiveram resultados superiores aos dos considerados 'tradicionais'. Resultado similar também foi observado nos indicadores da empresa de análise de fundos Morgan Stanley Capital International (MSCI), na qual 15 dos 17 índices de sustentabilidade também renderam mais que os seus equivalentes 'comuns'.

No Brasil, os índices acionários da B3 mostram o mesmo comportamento no ano considerado até a última sexta-feira, 15. As perdas do Ibovespa, principal índice do mercado de ações brasileiro, totalizadas em 32,9%, foram maiores que as baixas de 28,19% do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3, onde estão as empresas consideradas verdes.

Finanças verdes

O resultado favorável dos investimentos sustentáveis, ao invés dos tradicionais, chega em um momento em que organizações privadas, como o Fórum Econômico Mundial (FMI) e a própria BlackRock, além de outras autoridades, como o Banco de Compensações Internacionais (BIS), priorizam as questões voltadas a temas ambientais, governamentais e sociais.

Na semana passada, o BIS publicou um trabalho defendendo que os setores bancário e financeiro desenvolvam "finanças verdes" e encontrem uma solução sustentável para a crise mundial causada pela pandemia do coronavírus.

Em seu relatório, a BlackRock aponta que, apesar do período de tempo analisado pelo estudo ser curto, a resistência dos investimentos sustentáveis está de acordo com o observado pela gestora americana, durante as recessões de 2015 a 2016 e ainda 2018. "Além disso, esses resultados estão em linha com as pesquisas da BlackRock publicadas desde meados de 2018, demonstrando que as estratégias sustentáveis não exigem abdicar do lucro e têm como característica a estabilidade".

Cresce preferência por fundos sustentáveis

O estudo também mostra que, apesar da crise no mercado de petróleo no primeiro trimestre de 2020 ter afetado bem menos os investimentos sustentáveis, não é possível dizer que o setor de energia foi quem os favoreceu frente às opções tradicionais. "O desempenho abaixo do mercado no segmento tradicional por conta de energia [especialmente, petróleo e gás], explica somente uma parte do desempenho superior dos fundos sustentáveis", escrevem os analistas da BlackRock.

Na avaliação dos assuntos relacionados à sustentabilidade, os especialistas da gestora americana observaram que as empresas verdes possuem "um desempenho particularmente forte em temas que incluem relações com clientes, cultura corporativa e efetividade da diretoria, proporcionando perspectivas positivas sobre a estabilidade durante a atual crise."

Já nos primeiros três meses de 2020, cresceu a procura por fundos de investimento e fundos de índice, que estejam ligados a temas ambientais. "Os fundos abertos globais sustentáveis captaram US$ 40,5 bilhões [no primeiro trimestre], um crescimento de 41% em relação ao mesmo período do ano anterior", diz o relatório.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.