IPC da Fipe fecha junho em deflação de 0,16%

O município de São Paulo registrou deflação em junho. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) fechou o mês em - 0,16%, ante variação positiva de 0,09% registrada na terceira prévia do mês. Em maio, a inflação medida pelo IPC foi de 0,31%. Esta foi a primeira vez no ano que o índice entrou em deflação. A última variação negativa registrada pela Fipe ocorreu em novembro de 2000, quando o IPC fechou em -0,05%. A deflação de 0,16% foi mais forte do que estimavam analistas de mercado ouvidos pelo repórter Francisco Carlos de Assis, da Agência Estado, que apostavam em índice entre -0,05% e 0,06%. Dos sete grupos acompanhados pelo IPC, dois tiveram variação negativa. Alimentação, com -1,35%, caiu ainda mais ante à medição da terceira quadrissemana, de -0,75% (em maio fora de 0,27%); e Transportes, que fechou em -0,95%, ligeiramente acima do -0,94% da prévia anterior, mas que avançou em relação aos -0,66% de maio. Vestuário registrou a maior alta - 1,09% -, mas a variação foi menor do que a da terceira prévia (1,54%) e da de maio (1,29%). Saúde, a segunda maior alta de junho (0,81%) recuou em relação à variação de 1,00% da medição anterior, mas ficou bem acima dos 0,47% do fechamento de maio. Educação apresentou a menor taxa, de 0,22%. Na terceira prévia, a variação do grupo fora de 0,23%, contra 0,13% de maio. Veja a variação dos itens que compõem o IPC: Habitação: +0,47%; Alimentação: -1,35%; Transportes: -0,95%; Despesas Pessoais: +0,23%; Saúde: +0,81%; Vestuário: +1,09%; Educação: +0,22%; Índice Geral: -0,16%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.