IPC da Fipe fica em 0,16% na 1ª quadrissemana de março

A inflação do município de São Paulo, medida pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da USP, foi de 0,16% na primeira quadrissemana de março. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) havia apontado deflação de 0,03% na última prévia de fevereiro. O IPC superou a previsão de 11 instituições financeiras ouvidas pela Agência Estado, cujas estimativas variavam entre uma deflação de 0,05% e uma inflação de 0,12% para esta primeira quadrissemana. A maior alta do período foi no item Transportes, que subiu 0,67%, contra uma alta de 0,49% no levantamento anterior. O item Saúde teve elevação de 0,62%, também superior ao apurado na última quadrissemana de fevereiro, quando havia subido 0,54%. O grupo Alimentação registrou aumento de 0,21% no período pesquisado, contra uma queda de 0,22% na pesquisa divulgada no início desta semana. Habitação subiu 0,01%, depois de um recuo de 0,02% no encerramento de fevereiro. Despesas Pessoais registrou deflação de 0,11%, mas o recuo foi menor do que a queda de 0,33% da pesquisa anterior. Vestuário continuou registrando queda de preços, de 0,61%, também menor que a deflação de 0,99% com que encerrou o mês passado. Educação foi o único item que apontou desaceleração em relação à pesquisa do final de fevereiro, ficando com um aumento de 0,12%, contra 0,22% no levantamento anterior. Confira as variações dos itens que compõem o IPC:Habitação: +0,01%; Alimentação: +0,21%; Transportes: +0,67%; Despesas Pessoais: -0,11%; Saúde: +0,62%; Vestuário: -0,61%; Educação: +0,12%; Índice Geral: +0,16%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.