IPC-Fipe é o maior desde a 1ª prévia de setembro de 2004

A taxa do IPC-Fipe da primeira quadrissemana de janeiro (0,68%), divulgada esta manhã pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, é a mais alta desde a variação apresentada na primeira prévia de setembro do ano passado (0,79%). Na ocasião, a inflação média na capital paulista foi fortemente pressionada pelo grupo Habitação, que avançou 1,56%. Os dois itens que mais contribuíram com a taxa daquele mês foram tarifa de energia elétrica (8,79%) e de telefone fixo (4,60%). Estes dois serviços foram responsáveis por praticamente metade da inflação do período, ao contribuírem com 0,46 ponto porcentual para o IPC.A expectativa do coordenador do índice, Paulo Picchetti, é de que o IPC feche janeiro com alta de 0,60%. Ele acredita que a principal elevação do período deverá vir do grupo Educação, em função do início das matrículas e dos reajustes das mensalidades escolares. Picchetti descartou, no entanto, que este seja o patamar da inflação a ser desenvolvido ao longo do ano e atribui a questões sazonais o fato de contar com uma taxa mais alta neste primeiro mês do ano.Também devem pesar, segundo o coordenador, serviços relacionados a férias, como preços de pacotes de viagem, e pagamentos de impostos, como IPVA e IPTU. Para o ano, a aposta é de um porcentual de 5% a 5,5%. O resultado de hoje também é equivalente ao do segundo levantamento realizado pela Fipe em novembro (0,68%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.