IPC-S acelera 0,72% na 3ª prévia e fica dentro do previsto

Leve aceleração na taxa do indicador foi influenciada por aumento mais intenso nos preços dos alimentos

ALESSANDRA SARAIVA, Agencia Estado

26 de maio de 2008 | 08h14

O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) de até 22 de maio subiu 0,72%, em comparação com o aumento de 0,70% na apuração anterior do índice, de até 15 de maio. A informação foi divulgada nesta segunda-feira, 26, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). A leve aceleração na taxa do indicador foi influenciada principalmente por aumentos mais intensos de preços e fim de deflação nos grupos Alimentação (de 1,81% para 1,87%); e Educação, Leitura e Recreação (de -0,05% para 0,17%).  Veja também:Entenda a crise dos alimentos Entenda os principais índices de inflação  A FGV informou que as mais expressivas altas de preço continuam sendo registradas no setor de alimentação. Segundo a fundação, as elevações de preços mais significativas foram apuradas em pão francês (8%); batata-inglesa (12,77%); e leite tipo longa vida (3,99%). Por sua vez, as taxas de negativas de preço mais expressivas continuam sendo verificadas no setor de alimentos e de tarifas. É o caso das deflações em tarifa de eletricidade residencial (-1,83%); feijão carioquinha (-11,30%); e laranja pêra (-8,81%). Das sete classes de despesa usadas para cálculo do índice, três apresentaram elevação de preços mais intensa ou deflação mais fraca. Além dos dois já citados, é o caso de Habitação (de 0,06% para 0,07%).Os outros grupos apresentaram desaceleração de preços, no mesmo período. É o caso de Vestuário (de 0,82% para 0,71%); Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,88% para 0,81%); Transportes (de 0,28% para 0,26%); e Despesas Diversas (de 0,13% para 0,06%).  Capital paulista  A inflação na cidade de São Paulo acelerou, no âmbito do IPC-S. Os preços na capital paulista subiram 0,95% no indicador de até 22 de maio, ante alta de 0,85% apurada no índice anterior, de até 15 de maio. Nesta segunda, a instituição anunciou os resultados regionais de inflação das sete capitais usadas para cálculo do IPC-S - sendo que, das sete cidades, apenas duas apresentaram elevação mais intensa de preços, na passagem do IPC-S de até 15 de maio para o índice de até 22 de maio. Além de São Paulo, houve aceleração de preços em Rio de Janeiro (de 0,56% para 0,67%). As outras capitais registraram elevação de preços mais fraca, ou até deflação, no mesmo período. É o caso de Belo Horizonte (de 0,30% para 0,16%); Brasília (de 0,73% para 0,72%); Recife (de 1,32% para 1,18%); Porto Alegre (de 1,31% para 1,02%); e Salvador (de 0,09% para -0,05%). Embora todas as cidades contribuam para cálculo do IPC-S, a capital paulista é a de maior peso na formação do resultado do índice.

Tudo o que sabemos sobre:
InflaçãoIPC-S

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.