Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

IPC-S da FGV mostra inflação de 0,88%

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) ficou em 0,88% na semana encerrada em 26 de janeiro, ante resultado anterior de 0,81%, referente ao IPC-S de até 18 de janeiro. A informação foi divulgada esta manhã pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado ficou no teto das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado (entre 0,75% e 0,88%) e acima da media das estimativas (0,80%). Dos sete grupos que compõem o indicador de até 26 de janeiro, seis apresentaram elevação de preços. É o caso de Alimentação (de 1,13% para 1,20%), Habitação (de 0,49% para 0,58%), Vestuário (de 0,58% para 0,65%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,32% para 0,41%), Educação, Leitura e Recreação (de 2,06% para 2,84%) e Despesas Diversas (de 0,99% para 1,13%). O único grupo a apresentar recuo de preços, em comparação com o IPC-S anterior, foi o de Transportes (de alta de 0,49% para queda de 0,08%). Segundo a FGV, os grupos que mais exerceram influência na formação do indicador anunciado hoje foram Educação, Leitura e Recreação, Habitação e Alimentação. Por produtos, as altas mais expressivas de preço no período foram verificadas em curso de ensino superior (4,50%), batata inglesa (13,90%) e curso de ensino fundamental (5,26%). Já as mais expressivas quedas foram apuradas em limão (-41,34%); tarifa de táxi (-4,89%); e manga (-10,60%). Por regiões, das 12 capitais pesquisadas, houve acelerações nas taxas de inflação semanal de oito localidades: Fortaleza apresentou a maior taxa (1,29%) e Goiânia apresentou a menor taxa (0,58%). A FGV concede entrevista coletiva hoje às 11h para comentar o resultado do IPC-S.

Agencia Estado,

03 de fevereiro de 2005 | 09h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.