IPC-S fica em 1,03% até 15 de maio

O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) no período encerrado em 15 de maio permaneceu com taxa positiva de 1,03%, igual ao índice apurado no IPC-S anterior, de até 7 de maio. A informação foi divulgada hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado anunciado hoje ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro (entre 0,70% e 1,10%), com média das previsões em 0,92%.A FGV informa que, a exemplo do que ocorreu na divulgação anterior do índice, essa taxa continua sendo a mais elevada desde a primeira apuração de fevereiro de 2004 do IPC-S, quando o indicador registrou alta de 1,22%. Segundo a FGV, quatro dos sete grupos que compõem o IPC-S responderam por 50% da taxa do indicador fechado em 15 de maio. É o caso das acelerações de Habitação (de 0,74% para 0,84%); Vestuário (de 1,76% para 2,02%); Saúde e Cuidados Pessoais (de 1,27% para 1,31%); e Despesas Diversas (de 0,43% para 0,50%). Os outros três grupos tiveram desaceleração em suas taxas, ante o IPC-S de até 7 de maio. É o caso de Alimentação (de 1,44% para 1,40%); Educação, Leitura e Recreação (de alta de 0,08% para queda de 0,05%); Transportes (de 1,30% para 0,99%); Despesas Diversas (de 0,43% para 0,50%). Por produtos, as altas mais expressivas de preços apuradas no IPC-S foram registradas em tarifa de eletricidade residencial (3,18%); batata inglesa (20,73%); e tarifa de ônibus urbano ( 2,26%). Já as mais expressivas quedas foram observadas em mamão da amazônia (-18,86%); passagem aérea (-5,25%) e aparelho de telefone celular (-6,94%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.