IPC-S perde força e tem a menor alta desde dezembro de 2008

Desaceleração na inflação foi motivada por altas mais fracas nos preços dos alimentos e educação, diz a FGV

Alessandra Saraiva, da Agência Estado

16 de fevereiro de 2009 | 08h10

A inflação medida pelo IPC-S da Fundação Getúlio Vargas (FGV) perdeu força na segunda semana de fevereiro. O índice subiu 0,59% contra uma alta de 0,81% na primeira medição. É a menor alta desde a quarta semana de dezembro de 2008, quando o IPC-S subiu 0,52%. A taxa anunciada hoje ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo AE-Projeções, que esperavam um resultado entre 0,53% e 0,76%.   A desaceleração foi motivada por altas mais fracas nos preços dos alimentos (de 1,16% para 0,81%); e Educação, Leitura e Recreação (de 2,91% para 1,93%). Segundo a FGV, houve fortes desacelerações de preços em produtos nas duas classes de despesa. Os destaques ficaram por conta das movimentações de preços em frutas (3,32% para 0,22%) e em cursos formais (4,71% para 2,98%), respectivamente.   Das sete classes de despesa usadas para cálculo do índice, seis registraram desaceleração de preços ou deflação. É o caso de Habitação (de 0,29% para 0,27%); Vestuário (de -0,27% para -0,74%); Transportes (de 0,66% para 0,54%) e Despesas Diversas (de 0,44% para 0,39%). A única classe de despesa a apresentara aceleração de preços, no mesmo período, foi a de Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,43% para 0,52%).    

Tudo o que sabemos sobre:
InflaçãoIPC-S

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.